COP25: "A humanidade está em guerra com o planeta"

A declaração do secretário-geral das Nações Unidas pode incomodar muita gente, mas o relatório provisório da Organização Mundial de Meteorologia mostra que 2019 já será o segundo ou terceiro ano mais quente dos registros. O novo relatório serve de base técnica para a 25ª Conferência Climática.

Carolina Barnez Carolina Barnez 05 Dez. 2019 - 10:52 UTC
COP25 Madri
O relatório da OMM mostra que 2019 já é o segundo ou terceiro ano mais quente dos registros. Crédito: USGS/Public domain

Na semana da 25ª Conferência das Partes dos países signatários da Convenção-Quatro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP25), a Organização Mundial de Meteorologia (OMM) lançou o relatório climático provisório de 2019, onde são analisados os dados coletados de janeiro a outubro deste ano, e comparados com as séries históricas de registro.

A temperatura média global do período de Janeiro a Outubro de 2019 foi cerca de 1,1 ± 0,1 °C acima dos valores pré-industriais (média de 1850-1900). Em 4 das 5 bases de dados usadas pela OMM, este ano já é o segundo mais quente dos registros - em uma das bases usadas 2019 está em 3º lugar. Os últimos 5 anos (2015 a 2019) são os mais quentes dos registros, em primeiro lugar ainda está 2016, que foi marcado pro um El-Niño forte nos primeiros meses.

O aumento no derretimento do gelo marinho e glaciais (gelo sobre continente) também é alarmante. A Gronelândia perdeu 179 mil milhões de toneladas de gelo só em Julho e as plataformas no Árctico estão derretendo 70 anos antes do que o previsto. A taxa de derretimento atual da Antártida é 3 vezes mais rápida do que era há uma década.

A quantidade de calor armazenado nos oceanos continuou aumentando em 2019, assim como as ondas de calor marinhas. Em Outubro deste ano o nível médio do mar atingiu o maior valor registrado desde o início das medições de alta precisão por altímetro (1993). A estimativa é que o mar subiu em média 3,25 ± 0,3 mm por ano nestes 27 anos de registro. O aumento da perda de massa de gelo e do calor armazenado nos oceanos contribuem para a aceleração do aumento do nível médio do mar.

O relatório também aborda as crises sócio-políticas decorrentes de eventos extremos e crises hídricas. Mais de 10 milhões de pessoas se deslocaram entre Janeiro e Junho de 2019 foram decorrentes de eventos extremos, como os Ciclones Tropicais Idaí (Sul da África) e Fani (Sul da Ásia), Furacão Dorian (Caribe) e inundações no Iran, Filipinas e Etiópia. Mais de 2 milhões de pessoas foram evacuadas em Bangladesh, devido ao ciclone Bulbul (Novembro), e mais de 2 milhões na China, devido ao Tufão Lekima (Agosto). Dos desastres naturais, inundações e tempestades são os que mais contribuíram para o deslocamento massivo de pessoas em 2019, seguidos por eventos de seca.

COP25

A COP25 está acontecendo em Madrid, de 2 a 13 de Dezembro, com o slogan "Hora da Ação". O evento ocorreria no Chile, mas foi transferido para a Espanha devido aos protestos. O objetivo principal esse ano, é ajustar e cobrar o comprometimento dos países signatários do Acordo de Paris. “A humanidade está em guerra com o planeta”, declarou secretário-geral das Nações Unidas, António Guterrez. Para Guterrez, todos os países tem que contribuir, mas as metas ficam minadas sem a mudanças nas políticas de emissão dos países do G20, que representam três quartos das emissões globais.

Publicidade