tempo.com

Há um vulcão submarino gigante no Mar Mediterrâneo

O vulcão submarino Marsili é o maior da Europa e do Mediterrâneo. Sua área de cume tem cerca de 500 metros de profundidade. O que aconteceria no caso de uma erupção? Existe risco de tsunami? Veja aqui algumas curiosidades e informações.

Ilhas Eólias do Mediterrâneo
Uma vista do arquipélago das Ilhas Eólias, no Mar Mediterrâneo. O vulcão Marsili está localizado a menos de 100 km de distância, nas profundezas do Mar Tirreno.

Há um vulcão gigante no coração do Mediterrâneo, do qual se fala periodicamente na Itália. Estamos falando de Marsili, o maior vulcão submerso da Europa e do Mediterrâneo. Está localizado no Mar Tirreno, entre Palermo e Nápoles, cerca de 80 quilômetros ao norte da área onde estão localizadas as Ihas Eólias, o arquipélago de Stromboli e Vulcano. A base deste enorme vulcão está localizada no fundo do mar Tirreno profundo, a uma profundidade de cerca de 3.400 metros, enquanto seu cume está localizado a cerca de 500 metros da superfície do mar.

Se o vulcão tivesse emergido e estivesse ao nível do mar, ele atingiria três mil metros de altura. Tem uma estrutura alongada medindo cerca de 70 km de comprimento e 30 de largura, numa área de cerca de 2.100 km quadrados, e é composto por mais de 80 centros eruptivos menores. Este gigante subaquático não é encontrado sozinho: no Mar Tirreno existem outros grandes vulcões subaquáticos, ainda pouco estudados: entre estes o Vavilov, o Magnaghi, Palinuro.

vulcão stromboli
Na foto, o vulcão Stromboli, o "farol do Mediterrâneo". O Marsili está localizado a cerca de 90 km ao norte do arquipélago das Eólias.

Um vulcão ativo

Marsili é um vulcão muito antigo, mas ainda ativo, que, portanto, é adicionado à lista de vulcões ativos presentes na Itália, como Etna, Vesúvio, Campi Flegrei, Vulcano, Lipari. As primeiras erupções datam de 1 milhão de anos atrás e a última teria ocorrido em tempos históricos, entre 7.000 e 2.000 anos atrás. Pouco se sabe sobre este vulcão, porque sua posição nas profundezas do Mar Tirreno torna os estudos muito mais complicados. Nos últimos anos, no entanto, surgiram novos estudos que despertaram grande interesse entre o público e os aficcionados.

O que aconteceria no caso de uma erupção?

A profundidade em que este vulcão está localizado dificulta a instalação de um sistema de monitoramento subaquático, o que nos permitiria entender muitas coisas sobre sua atividade. Pouco se sabe sobre seu nível de explosividade. Os vulcanologistas, no entanto, indicam que é improvável que uma erupção explosiva possa ter efeitos diretos nas costas próximas, gerando um tsunami. A grande diferença com a recente erupção do vulcão do Pacífico é que ocorreu a uma profundidade muito rasa.

A cratera de Marsili está localizada a uma profundidade de 500 metros, e o enorme peso da coluna de água evitaria consequências como a vista em 15 de janeiro de 2022. Em caso de erupção submarina, segundo o INGV (Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia), "o único sinal à superfície seria a água fervendo ligada à desgaseificação e flutuação de material vulcânico (pomes) que ficaria em suspensão por algumas semanas (como aconteceu com a erupção de 10 de outubro de 2011 ao longo da ilha de El Hierro nas Ilhas Canárias)". "O risco associado a possíveis erupções submarinas é, portanto, extremamente baixo - indica novamente o INGV - e uma erupção com profundidade superior a 500 metros provavelmente envolveria apenas um desvio temporário das rotas navais".

Segundo o INGV, em caso de erupção o único sinal na superfície seria a água fervente ligada à desgaseificação e flutuabilidade do material vulcânico

O risco de um tsunami no Mediterrâneo

Segundo os vulcanologistas, uma erupção do Marsili não seria capaz de gerar um tsunami diretamente: as ondas do tsunami poderiam, no entanto, ser geradas pelo colapso de uma parte da estrutura vulcânica. Basicamente, a possibilidade de um enorme deslizamento submarino durante a atividade vulcânica não pode ser descartada. Deslizamentos submarinos são de fato capazes de gerar ondas de tsunami. De acordo com o INGV, "não pode ser excluída a priori a possibilidade de setores do vulcão se desestabilizarem e entrarem em colapso no caso de deformações induzidas pela subida de quantidades significativas de magma”. Ao mesmo tempo, no entanto, não há evidências de que isso tenha acontecido no passado.

Como sempre, devemos pensar em termos de probabilidade e, com os dados que temos atualmente, esse evento parece bastante improvável. Para uma avaliação da estabilidade do Marsili, no entanto, seria necessário ter mais dados disponíveis sobre este vulcão submerso. "Esta avaliação - escreveu o INGV em um artigo de 2015 - é cientificamente importante e socialmente necessária em termos de estimativa do perigo potencial do tsunami". Mais uma vez, a pesquisa científica nos permitirá lançar uma nova luz sobre o que não sabemos e refinar nosso conhecimento, incluindo o conhecimento de riscos.