tempo.com

Vesúvio, a verdadeira data da erupção que destruiu Pompeia é revelada

Um novo estudo permitiu identificar a data exata da erupção do Vesúvio que enterrou Pompéia, Herculano e outras cidades da Roma Antiga. Saiba mais aqui!

Pompeia Vesúvio
A cidade romana de Pompéia foi enterrada pela erupção do Vesúvio em 79 D.C.

De acordo com a famosa carta de Plínio, o Jovem a Tácito, a erupção do Vesúvio que destruiu Pompéia, Herculano, Stabia e Oplontis, na área da atual cidade metropolitana de Nápoles, ocorreu entre 24 e 25 de agosto de 79 D.C. Quase 2.000 anos após o episódio que destruiu grande parte do território e cidades vizinhas, uma equipe internacional de pesquisadores chegou à conclusão de que a verdadeira data é outra.

O estudo “The 79 CE eruption of Vesuvius: a lesson from the past and the need of a multidisciplinary approach for developments in volcanology”, publicado recentemente na prestigiosa revista ‘Earth-Science Reviews’, reanalisou o evento para oferecer um plano exaustivo do estado da arte sobre o conhecimento da erupção mais famosa da história, a partir da data real em que ocorreu.

A integração entre o estudo de campo, as análises em laboratório e a releitura de fontes históricas permitiu acompanhar todas as fases da erupção no tempo, desde a câmara magmática até a deposição das cinzas em áreas muito distantes do Vesúvio, encontrando vestígios até na Grécia.

A verdadeira data da erupção

“Nosso trabalho examina com uma abordagem ampla e multidisciplinar diferentes aspectos da erupção de 79 d.C., integrando dados históricos, estratigráficos, sedimentológicos, petrológicos, geofísicos, paleoclimáticos e de modelagem dos processos magmáticos e eruptivos de um dos eventos mais famosos e devastadores que afetaram a área vulcânica napolitana”, explica Mauro A. Di Vito, vulcanólogo do INGV e coordenador do estudo.

O artigo parte da redefinição da data da erupção, que teria ocorrido no outono de 79 D.C. e não em 24 de agosto como se supunha no passado, e continua com a análise vulcanológica de locais próximos ao vulcão e depois se deslocaram progressivamente até milhares de quilômetros de distância, onde foram encontrados vestígios da erupção na forma de cinzas finas".

"Desde o século XIII, a data de 24 de agosto tem sido objeto de debate entre historiadores, arqueólogos e geólogos por ser inconsistente com inúmeras evidências".

“Desde o século XIII, a data de 24 de agosto é motivo de debate entre historiadores, arqueólogos e geólogos por ser inconsistente com inúmeras evidências”, diz Biagio Giaccio, pesquisador do Igag-Cnr e coautor do artigo. “Como, por exemplo, os achados em Pompeia de frutas típicas do outono ou as pesadas túnicas usadas pelos habitantes que não batem com a data de 24-25 de agosto”, acrescenta Giaccio.

A prova definitiva da imprecisão da data, no entanto, surgiu apenas alguns anos atrás. “Uma inscrição a carvão na parede de um prédio em Pompéia que traduzia as citações ‘No décimo sexto dia antes das calendas de novembro, ele se alimentava de maneira imoderada’, indicando que a erupção certamente ocorreu depois de 17 de outubro”, continua Giaccio.

herculano vesúvio
Herculano é a outra cidade romana que foi enterrada após a erupção do Vesúvio.

A data mais acreditada é a de 24 a 25 de outubro

A pesquisa foi então complementada pela avaliação quantitativa do impacto das fases individuais da erupção nas áreas e locais arqueológicos próximos ao vulcão. “O espírito do nosso trabalho foi entender como um evento do passado pode representar uma janela para o futuro, abrindo novas perspectivas para o estudo de eventos semelhantes que podem ocorrer amanhã”, diz Domenico Doronzo, vulcanólogo do INGV e coautor da pesquisa.

O estudo, recentemente publicado na prestigiosa revista ‘Earth-Science Reviews’, foi realizado pelo Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV) em colaboração com o Instituto de Geologia Ambiental e Geoengenharia do Conselho Nacional de Pesquisa (IGAG-CNR), com o Centro Interdepartamental para o Estudo dos Efeitos das Mudanças Climáticas (CIRSEC) e com o Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Pisa, o Laboratório Magmas et Volcans de Clermont-Ferrand (LMV) na França e a Escola de Engenharia e Ciências Físicas (EPS) da Universidade Heriot-Watt em Edimburgo, no Reino Unido.

A pesquisa foi realizada como parte do projeto de pesquisa 'Dynamic Planet' financiado pelo INGV. Os resultados deste estudo receberam a apreciação de ícones autênticos da vulcanologia mundial como Raymond Cas, professor emérito da Escola de Atmosfera e Meio Ambiente da Terra da Universidade Monash, na Austrália.

“A erupção do Vesúvio em 79 D.C. é uma das mais emblemáticas no campo da vulcanologia física", disse o pesquisador australiano. As observações sobre esta erupção, bem como os inúmeros estudos sobre depósitos e a interpretação dos processos eruptivos, são a base de muitos dos conceitos e compreensão dos mecanismos de erupções explosivas na vulcanologia moderna. Uma revisão do que se sabe sobre a erupção e seus depósitos é, portanto, muito importante para os vulcanólogos e justifica um documento completo e detalhado, como este artigo.