tempo.com

Os efeitos do vulcão Tonga sobre a atmosfera podem durar até cinco anos!

Os 146 mil milhões de litros de vapor d1água que esta erupção expeliu para a atmosfera poderiam alterar o clima da Terra ao ponto de a aquecer durante os próximos cinco anos, afetando também a camada de ozônio. Saiba mais aqui!

Hunga Tonga-Hunga Ha'apai
Nunca foi observado um evento desta magnitude que injetasse tanto vapor de água na atmosfera.

Quando o vulcão submarino Hunga Tonga-Hunga Ha'apai entrou em erupção a 15 de janeiro, os seus efeitos foram sentidos em todo o mundo. Os tsunamis causados pela erupção afetaram as linhas costeiras de grande parte do mundo, com a nação do Pacífico a suportar as consequências.

Meses mais tarde, uma pesquisa publicada na revista Nature confirmou que esta erupção se tinha tornado a maior explosão na Terra nos tempos modernos, e foi registada como uma das mais poderosas jamais observadas.

Esta erupção é a maior explosão da Terra nos tempos modernos e uma das mais poderosas jamais observadas.

As suas consequências foram sentidas desde o primeiro instante, desencadeando ondas de gravidade atmosférica que circundaram o globo quatro vezes e enviando destroços da explosão até mais de 50 km para a atmosfera. No entanto, as suas consequências para o planeta estavam longe de ter terminado.

As cinzas e os gases chegaram à atmosfera acompanhados de milhares de milhões de litros de vapor d'água, segundo um novo estudo publicado na revista Geophysical Research Letters sob o título "The Hunga Tonga-Hunga Ha'apai Hydration of the Stratosphere".

Um evento sem precedentes

Esta erupção continua a desafiar os investigadores em uma escala sem precedentes, uma vez que o novo estudo sugere que os seus efeitos poderiam alterar o clima da Terra ao ponto de o aquecer nos próximos cinco anos, afetando também a camada de ozônio.

Nunca foi observado um evento desta magnitude, que injetasse tanto vapor d'água na atmosfera, pelo que a comunidade científica permanece vigilante na análise dos seus efeitos a médio e longo prazo.

É por isso que a tecnologia espacial tem sido fundamental para desvendar o mistério do vapor d'água na atmosfera. Graças ao Microwave Limb Sounder (MLS), um dispositivo a bordo do satélite Aura da NASA que mede uma variedade de compostos na atmosfera terrestre a uma altitude superior a 100 km, os autores do estudo foram capazes de analisar a quantidade de água e dióxido de enxofre que a erupção expeliu para a atmosfera.

Luis Millán, cientista atmosférico do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA e co-autor do estudo, procurou estes dois compostos em particular, devido à sua capacidade de afetar o clima. O estudo estima que 146 mil milhões de litros de água atingiram a estratosfera, o equivalente a 58.000 piscinas olímpicas, ou 10% da água já existente na estratosfera.

O vapor d'água pode permanecer na estratosfera por 5 anos

Embora o efeito de arrefecimento dos vulcões sobre o clima global devido ao dióxido de enxofre atingir as camadas superiores da atmosfera, e refletir os raios solares para o exterior tenha sido amplamente documentado, o vulcão Tonga continua a colocar novos desafios.

Uma quantidade tão grande de vapor d'água na atmosfera pode ter o efeito oposto: a água absorve a energia do Sol em vez de a refletir, aumentando o efeito estufa. Embora o dióxido de enxofre se dissipe em poucos anos, a água poderá permanecer durante 5 anos ou mais, acelerando o aquecimento já provocado pelas emissões de GEE's.

No entanto, todos estes efeitos requerem tempo para serem documentados e estudados, pelo que não existe consenso na comunidade científica sobre os efeitos a longo prazo da erupção do Hunga Tonga-Hunga Ha'apai, um vulcão subaquático que continua a quebrar recordes pela sua magnitude, fornecendo dados nunca vistos.