tempo.com

O primeiro país com um plano de evacuação devido ao aumento do nível do mar

Já é uma realidade: existe um país que tem um plano de evacuação populacional devido ao constante aumento do nível do mar. Em que consiste tal plano? Descubra aqui!

Fiji, plano, mudança climática
Ilhas Mamanuca, Fiji. Algumas ilhas podem desaparecer em poucos anos.

Segundo o último relatório da Organização Meteorológica Mundial, as concentrações dos principais gases de efeito estufa (dióxido de carbono, metano e óxido nitroso) alcançaram níveis recordes em 2021, e é esperado que os níveis atmosféricos desses três gases continuem aumentando em 2022.

Como já sabemos, tudo isso repercute na temperatura global. Estima-se que este ano os valores fiquem em torno de 1,15 [1,02 a 1,28] °C acima da média pré-industrial de 1850-1900. Um dos objetivos da COP27, que está se realizando nestes dias no Egito, é tentar não ultrapassar 1,5ºC.

Além do aumento das temperaturas, o aumento do nível do mar está se acelerando, o derretimento das geleiras europeias está batendo recordes e os fenômenos meteorológicos extremos estão causando devastação em muitas regiões do planeta.

Arquipélagos e ilhas, os lugares mais sensíveis

Em relação ao nível médio global do mar, durante os últimos 30 anos ele subiu aproximadamente 3,4 ± 0,3 mm por ano (1993-2022). A taxa dobrou entre 1993-2002 e 2013-2022, e o nível do mar subiu cerca de 5 mm entre janeiro de 2021 e agosto de 2022. A aceleração se deve principalmente ao derretimento do gelo.

No entanto, deve-se lembrar que esses aumentos não são observados em todo o mundo da mesma forma: há áreas mais sensíveis do que outras. Estamos falando de ilhas e arquipélagos, lugares que muitas vezes parecem paradisíacos e podem ser literalmente engolidos pelo mar.

A maior ameaça paira sobre as Ilhas Fiji, um país formado por 300 ilhas e pouco menos de um milhão de habitantes, que fica no meio do Pacífico Sul, a nordeste da Austrália.

Em Fiji, as temperaturas estão subindo três vezes mais rápido que a taxa global média, ciclones extremos atingem a região com cada vez mais regularidade (o arquipélago enfrentou sete grandes ciclones desde 2016) e a orla está submersa devido ao aumento do nível do mar.

Como "mover" um país?

Os efeitos das mudanças climáticas são uma realidade para este país, e muitos dos habitantes de Fiji já tiveram que ser realocados. Especificamente, das 42 aldeias que serão realocadas nos próximos 5 a 10 anos, seis já foram deslocadas.

regressão costeira
O aumento do nível do mar destrói estradas e gera erosão no litoral. Em alguns arquipélagos do Pacífico é um problema grave que afeta as comunicações.

O plano de realocação é chamado de "Procedimentos operacionais padrão para realocações planejadas" e não é tão simples quanto parece à primeira vista. Não só é preciso retirar 30 a 40 casas de um povoado e movê-las mais para o alto, como também tem que se pensar em suas escolas, postos de saúde, estradas, infraestruturas e até cemitérios.

Não é só retirar as casas das aldeias: é preciso ter em conta os postos de saúde, as estradas, as infraestruturas... e até os cemitérios.

Além disso, de acordo com os especialistas, as pessoas mais difíceis de mover são... os mortos. Ao se mudarem, os moradores se deparam com o dilema de deixar para trás os ossos de seus antepassados ou exumá-los e levá-los para um novo local. Qualquer uma das opções é profundamente traumática.

Este plano é composto por 130 páginas de texto, gráficos e previsões de tempo, e é um projeto único e pioneiro. Nenhum outro país foi tão longe ao pensar em como tomar decisões de realocação planejada em nível nacional. Talvez em algumas décadas o mesmo tenha que ser feito em algumas áreas da Espanha.