tempo.com

Catástrofes naturais custaram US$65 bilhões na primeira metade de 2022

O calor extremo, a seca e os incêndios florestais estão aumentando em várias regiões do mundo, acumulando bilhões em custos para as companhias de seguros.

As inundações australianas são o desastre mais caro de 2022 até agora
As inundações australianas são o desastre mais caro de 2022 até agora.

As catástrofes meteorológicas dominaram os desastres naturais globais na primeira metade de 2022, com tornados, inundações, calor extremo, incêndios florestais e a seca a causarem milhares de milhões de dólares de prejuízos, de acordo com a análise de uma companhia de seguros global.

Munich Re totalizou os danos causados por catástrofes naturais em todo o mundo. As chuvas extremas e inundações no leste da Austrália foi até agora a catástrofe natural mais cara de 2022, causando perdas de 6,6 bilhões de dólares.

Partes de Queensland e New South Wales viram precipitação e inundações recorde, tendo a última semana de Fevereiro sido a mais chuvosa desde 1900.

Os EUA tiveram as maiores perdas relacionadas com o tempo, com cerca de 28 mil milhões de dólares durante os primeiros seis meses do ano. Uma série de trovoadas severas com tornados foi a principal causa - tornados no início de abril destruíram bens no valor de mais de 3 bilhões de dólares, enquanto que trovoadas severas nos EUA causaram perdas no total de 22 bilhões de dólares, com perdas seguradas de 17 bilhões de dólares.

Uma coisa está a tornar-se extremamente clara: a poderosa influência das alterações climáticas está a tornar-se cada vez mais evidente. E as consequências para as pessoas em todo o mundo estão a tornar-se cada vez mais palpáveis.

Na Europa, o calor extremo e as condições áridas no início do verão levaram à escassez de água e a incêndios florestais, especialmente em Itália, Espanha e Portugal. As tempestades de inverno, particularmente em fevereiro, varreram o norte e o noroeste da Europa, trazendo ventos com força de furacão em vários locais, com a Irlanda, Inglaterra, partes da Bélgica, Holanda, norte da Alemanha e a costa báltica a serem atingidas com alguma severidade. As perdas totais alcançaram 5,2 bilhões de dólares.

As secas na Europa também se têm revelado dispendiosas
As secas na Europa também se têm revelado dispendiosas.

No entanto, as perdas resultantes de desastres naturais na primeira metade de 2022 foram inferiores às dos meses comparativos de 2021. Inundações, terramotos e tempestades causaram perdas globais de cerca de 65 bilhões de dólares, em comparação com 105 bilhões de dólares no ano anterior.

Número de mortes superior

A maior tragédia humanitária foi causada por um poderoso terramoto no Afeganistão. Cerca de 1.200 pessoas morreram quando o terramoto, com uma magnitude de 5,9, devastou a parte oriental do país. A nível mundial, cerca de 4.300 pessoas perderam a vida em desastres naturais na primeira metade de 2022 - foram mais do que em anos anteriores.

Os principais institutos de investigação como a Universidade do Estado do Colorado acreditam que as atuais condições fracas do La Niña poderão tornar-se ainda mais pronunciadas durante a fase principal da temporada dos furacões em setembro, com a atividade das tempestades na parte superior da escala. Munich Re prevê cerca de 18 tempestades tropicais, oito furacões e quatro furacões severos.

Ernst Rauch, cientista climático chefe do Munich Re, e chefe da Climate Solutions Units, afirmou: "Podem ser todos eventos individuais com causas diferentes, mas no seu conjunto, uma coisa está a tornar-se extremamente clara: a poderosa influência das alterações climáticas está a tornar-se cada vez mais evidente. E as consequências para as pessoas em todo o mundo estão a tornar-se cada vez mais palpáveis".