tempo.com

Bloqueio atmosférico favorece dias com máximas de 38°C em julho

Bloqueio atmosférico atua até pelo menos o início de julho e proporciona temperaturas de até 40°C em pleno inverno. Saiba também quando pode ocorrer a mudança de padrão.

veranico inverno
Bloqueio atmosférico atua até pelo menos a segunda semana de julho proporcionando redução das chuvas e, principalmente, calor em pleno inverno.

Nos últimos dias, um padrão de bloqueio se estabeleceu, dificultando o avanço de frentes frias pelo centro-sul do país, que se mantêm mais sobre o Rio Grande do Sul e atuam no máximo nas regiões costeiras dos demais estados da Região Sul e do Sudeste.

Como resultado, um padrão mais seco passou a atuar com grande amplitude térmica, caracterizada por frio durante a noite e madrugada, e calor durante o dia. No início de julho esta condição tende a ser mais evidente, principalmente pelo calor ao longo do dia que atingirá boa parte do país.

As temperaturas acima de 30°C já são registradas, mas valores próximos aos 40°C poderão ser atingidos no Brasil Central. Além disso, a umidade do ar pode atingir valores críticos.

Padrão de precipitação e temperatura para o início de julho

As passagens de sistemas frontais ainda ficarão mais restritas ao Rio Grande do Sul e ao sul e oeste de Santa Catarina. Essa localização pode proporcionar eventos frequentes de precipitação e chuva acima da média para essas áreas. Além disso, essa configuração de bloqueio atmosférico proporciona redução das chuvas no restante do centro-sul do país, algo que é esperado para esta época do ano, em virtude da aproximação da Alta Subtropical do Atlântico Sul (ASAS).

ECMWF
Anomalia de precipitação para o período de 04 a 11 de julho, segundo o modelo ECMWF.

Essa aproximação da ASAS também contribui para o transporte mais efetivo das umidade para o leste do Nordeste, resultando em mais chuva na região.

ECMWF
Anomalia de temperatura para o período de 04 a 11 de julho, segundo o modelo ECMWF.

A configuração de bloqueio, com sistemas frontais concentrados na metade sul da Região Sul, impossibilita o avanço mais efetivo de massa de ar polar, sendo maior parte dos dias com predomínio dos ventos de norte que acabam por transportar o ar quente do centro-norte do país para boa parte do centro-sul. Isso está representado pelas anomalias de temperatura positivas no período de 04 a 11 de julho.

Já no leste do Nordeste, com o aumento dos ventos de leste e das chuvas, as anomalias são ligeiramente negativas para o mesmo período, apresentando uma condição mais amena e até mesmo de frio caso alguma massa de ar frio consiga avançar para norte do oceano.

Quais fatores contribuem para o bloqueio atmosférico?

Os principais fatores climáticos que contribuem para a atuação do bloqueio atmosférico são a Oscilação Antártica (AAO) e a Oscilação de Madden-Julian (MJO).

A AAO nos próximos dias oscila em valores positivos o que faz com que os sistemas transientes de precipitação passem mais ao sul nesta época do ano, diminuindo a amplitude e, consequentemente, o potencial de chuvas no centro-sul do país.

AAO
Condição registrada (linha preta cheia) e previsão (linhas vermelhas) da AAO.)

Já a MJO poderá atuar nas fases 3,4 e 5, sendo a 3 e 5 desfavoráveis à ocorrência de precipitação e a 4 favorável, o que pode ser verificado no diagrama de fases para o período de maio a setembro em mm/dia.

Madden-Julian
Comportamento médio da precipitação para cada fase da MJO no período de maio a setembro (esq.) e previsão para a oscilação dos modelos ECMWF e GFS (dir.).

A combinação da AAO e da MJO favorece a formação de um bloqueio atmosférico, mesmo a fase 4 da MJO, a AAO não contribui para que um sistema frontal seja potencializado entre à Região Sul e os estados do Mato Grosso do Sul e de São Paulo.