tempo.com

Fim do La Niña é declarado! Será mesmo? Como estão as previsões?

O Bureau de Meteorologia da Austrália (BoM) declarou o fim do La Niña na sua última atualização. No entanto, os critérios de classificação do fenômeno diferem da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA). Será que de fato acabou? Quais as últimas atualizações da previsão?

BoM
Principal instituto de meteorologia da Austrália declarou o fim do La Niña.

O La Niña vem atuando desde a primavera de 2021, dando sequência ao mesmo fenômeno de 2020-2021. Assim, o período de 2020-2022 está sendo caracterizado por 3 ocorrências de La Niña consecutivas.

Eventos consecutivos de La Niña são comuns e ocorreram em aproximadamente metade de todas as ocorrências do fenômeno desde 1900. No entanto, três eventos consecutivos são bem menos comuns e aconteceram apenas três vezes: 1954-1957, 1973-1976, e 1998-2001.

A última atualização do Bureau de Meteorologia da Austrália (BoM) declarou: "O evento La Niña 2021-22 chegou ao fim, com a maioria dos indicadores atualmente em níveis neutros."

O fenômeno de 2021-2022 enfraqueceu nas últimas semanas e na atualização climática mais recente do Bureau de Meteorologia da Austrália (BoM) foi declarado o seu fim, afirmando que a maioria dos seus indicadores estão em níveis neutros.

Já a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), dos Estado Unidos, declara que o La Niña está atuando, com temperaturas da superfície do mar equatorial (SSTs) abaixo da média na maior parte do oceano Pacífico e a atmosfera tropical da região estando consistente com o fenômeno.

Essas conclusões possuem bases de classificação dos fenômenos La Niña e El Niño diferentes, mas se referem à mesma região do Pacífico Equatorial Central, a Niño 3.4:

Critérios Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA)

As anomalias de SST para classificar La Niña e El Niño são as faixas mínimas de -0,5°C e +0,5°C, respectivamente. Pelos padrões históricos, esses limites devem ser excedidos por um período de pelo menos 5 trimestres sobrepostos consecutivos, ou seja, aproximadamente 7 meses consecutivos. Assim, com anomalias da região Niño 3.4 em -0,6°C, a NOAA manteve a atuação do La Niña.

Critérios Bureau de Meteorologia da Austrália (BoM)

As anomalias de SST para classificar La Niña e El Niño são as faixas mínimas de -0,8°C e +0,8°C, respectivamente. O período de permanência do período é o mesmo que o da NOAA de 7 meses consecutivos, não sendo necessário uma sobreposição da anomalia média trimestral. Assim, com anomalias da região Niño 3.4 acima do limite inferior na última semana, a BoM declarou fim do fenômeno.

O fenômeno La Niña pode continuar até o fim do ano

Uma coisa é fato: as águas da superfície do Pacífico Equatorial esquentaram a ponto de proporcionar condições atuais de neutralidade (BoM) ou de um La Niña muito fraco. Mas e nos próximos meses, quais são as expectativas? O fenômeno pode voltar ou se fortalecer?

cfsv2
Anomalias da temperatura da superfície da região Niño 3.4 registradas (linha preta cheia) e médias das previsões do modelo CFSv2 (tracejada).

Pelo modelo CFSv2, que na opinião do autor é o mais confiável, as anomalias negativas para a região Niño 3.4 se intensificam a partir do mês de julho. Pelo critério da NOAA, o fenômeno La Niña pode seguir até o fim do ano. Já para a BoM, a condição será neutra com viés negativo. Mesmo em outubro e novembro registrando anomalias abaixo dos -0,8°C, não há persistência para determinação do fenômeno.