Engolidos pelo aumento do nível do mar

O aumento do nível do mar já ameaça a sobrevivência e cultura de diversos povos, principalmente no Pacífico. Algumas ilhas já sumiram e o efeito combinado da elevação do mar com outros fenômenos atmosféricos coloca em alerta áreas costeiras ao redor do globo.

Carolina Barnez Carolina Barnez 10 Jan. 2019 - 11:21 UTC
Kiribati será o primeiro país a desaparecer com o aumento do nível do mar. Imagem do documentário "A Arca de Anote" (Matthieu Rytz, 2018).

O isolado e paradisíaco Kiribati será o primeiro país a desaparecer em consequência do aumento do nível do mar. Desde 1989, as Nações Unidas (ONU) alertam que o país, composto de 33 ilhas, seria o primeiro a ser dizimado pelas mudanças climáticas. “Estamos tão isolados que sempre achamos que as atribulações do mundo nada tinham a ver conosco, mas aqui estamos, submetidos ao fenômeno global da mudança climática”, diz o ex-presidente Anote Tong no documentário "A Arca de Anote" (Matthieu Rytz, 2018). O filme mostra a saga de Tong durante seu mandato para salvar a população e cultura do arquipélago.

Os atuais planos do governo incluem a transferência da população de Kiribati para as Ilhas Fiji, caso a inundação se confirme. O problema é que a maior parte das ilhas do Pacífico sofrerão perda total ou parcial de seu território com a elevação do nível do mar esperada para o próximo século. As consequências do aquecimento global nesta região não são mais distantes e utópicas, mas sim uma realidade.

Um estudo publicado em 2016, na Environmental Research Letters, mostrou as primeiras evidências científicas de que o nível do mar já está subindo e tomando áreas de terra. Os pesquisadores usaram imagens aéreas e por satélite, desde 1947, para monitorar a elevação do nível das águas nas Ilhas Salomão, no meio do Pacífico ocidental. Durante o período de análise, foi observado o desaparecimento de 5 ilhas, das 1000 que compõe o arquipélago, sendo pelo menos duas habitadas. Também foi possível ver que outras seis ilhas perderam 62% de sua área emersa.

Imagem aérea de uma das ilhas submersas do aquipélago Ilhas Salomão. Créditos: Simon Albert/The Conversation.

Os autores esclarecem que essas mudanças no arquipélago são parcialmente causadas pelo ciclo natural dos ventos alísios que movem a água na região, e não somente pelo aumento do nível do mar. No entanto, alertam que os efeitos da combinação do ciclo natural com o aumento do nível do mar observado na segunda metade do século XX são uma amostra do que está por vir, quando o restante do planeta sofrer um ritmo semelhante ao que experimentaram as Ilhas Salomão nestes 20 anos.

Consequências em outros locais

As consequências da elevação do nível do mar não são exclusivas das ilhas do Pacífico. Recentemente Mohamed Nasheed, representante das Ilhas Maldivas, discursou na COP24 sobre a potencial ameaça que seu país esta sofrendo com as projeções do aumento do nível do mar. Nasheed incluiu outros locais que são potenciais alvos das mudanças climáticas: Seychelles (Índico), Cabo Verde (Atlântico) e Ilha de Páscoa (Pacífico Sul).

Há também uma grande preocupação em relação a manutenção dos patrimônios históricos da humanidade no Mediterrâneo. Uma pesquisa publicada na Nature Communications mostra que a combinação da elevação do nível do mar e a ocorrência de eventos extremos meteorológicos pode causar o aumento da erosão e inundação nas áreas costeiras. Os patrimônios localizados na Itália, Grécia, Croácia e Tunísia foram considerados os mais suceptíveis às mudanças climáticas.

Publicidade