tempo.com

Por que os Vikings deixaram a Groenlândia e nunca mais voltaram?

Pensa-se que a diminuição da temperatura pode explicar o abandono dos povoados nórdicos, no sul da Groenlândia, no início do século XV, embora existam poucas provas paleoclimáticas disponíveis na própria região. Saiba mais aqui!

Gronelândia
Um dos grandes mistérios da história medieval tardia é porque é que os nórdicos, que tinham estabelecido colonatos bem-sucedidos no sul da Gronelândia em 985, os abandonaram no início do século XV.

Os Vikings eram um dos povos mais viajados em todo o mundo. Um dos lugares a que chegaram foi ao norte da Groenlândia. Mas um dia, eles decidiram deixar esta enorme ilha sem que se soubesse o porquê. Agora, contudo, um estudo publicado na revista Science Advances pode ter a resposta definitiva sobre a razão pela qual os Vikings deixaram a Groenlândia, e a razão poderá ser surpreendente para alguns.

De acordo com os autores do estudo, este abandono poderia ter resultado de múltiplos problemas, incluindo as mudanças climáticas, falhas de gestão, colapso econômico ou estratificação social. Então por que é que os Vikings, depois de mais de 400 anos de sucesso nas terras enganosamente pequenas e de facto não muito verdes, arrumaram as suas coisas e partiram? A teoria prevalecente até agora era que eles simplesmente não conseguiam suportar o frio.

Os colonos nórdicos desenvolveram a colonização do Leste no sul da Gronelândia em 985, a região foi largamente abandonada no início do século XV.

Isto não é para questionar a dureza dos Vikings: a vida era literalmente mais fria na altura, pois a Terra tinha acabado de entrar num período de arrefecimento dramático agora chamado a "Pequena Idade do Gelo".

Não foi apenas uma questão de colocar algumas camadas extra ou de atirar outro tronco na lareira: a queda de 2°C causou nada menos do que uma catástrofe global.

Pequena Idade do Gelo

Os rios e os mares costeiros congelaram, paralisando o comércio e as comunicações. As culturas e o gado murcharam enquanto as chuvas torrenciais arruinavam as culturas, libertando a fome e as dificuldades generalizadas. A Groenlândia não é exatamente conhecida pelos seus verões abrasadores, ainda hoje, mesmo que talvez devesse ser, pelo que faria sentido que esta Pequena Idade do Gelo significasse o fim da agricultura nas terras não desejadas e cobertas de gelo.

As provas geológicas, tais como os dados do núcleo de gelo utilizado para reconstruir as mudanças de temperatura na Groenlândia ao longo dos séculos, também pareciam apoiar essa conclusão. Embora as provas mostrassem que a Groenlândia se tornou demasiado fria para a agricultura durante a Pequena Idade do Gelo, isto foi especificamente demonstrado na parte da da ilha a alguns milhares de quilômetros de distância do local onde os Vikings se estabeleceram realmente.

Foi então que as surpresas começaram a surgir. Embora não haja núcleos de gelo adequados perto dos locais originais do povoado Viking, havia algo igualmente bom: um lago, a apenas 9 km da pequena aldeia de Qassiarsuk e chamado Lago 578.

Qassiarsuk, em 2020, tinha uma população de apenas 39 pessoas. No entanto, há mil anos chamava-se Brattahlíð e era o lar de algumas das maiores aldeias da Groenlândia Viking. Isso tornou perfeito o estudo da mudança das condições nos povoados nórdicos e, potencialmente, descobrir porque foram eventualmente abandonados.

Reconstrução da História

Boyang Zhao, autor principal do estudo e os seus colegas passaram três anos recolhendo pacientemente amostras de sedimentos do lago para analisar a temperatura e a disponibilidade de água na área durante os últimos 2000 anos.

Essas condições cada vez mais secas teriam sido devastadoras para os Vikings da Groenlândia. Mesmo nos bons anos, a agricultura os povoados tinha sido difícil: no inverno, o gado e alguns ovinos e caprinos tinham de ser mantidos em baías quentes e escuras, e na primavera, muitos bovinos eram demasiado fracos para se deslocarem e os agricultores nórdicos tinham de os pôr a pastar.

"O que descobrimos é que embora a temperatura mal tenha mudado ao longo do povoado nórdico do sul da Groenlândia, ao longo do tempo tornou-se cada vez mais seca" - Boyang Zhao, autor principal do estudo.

Contudo, em condições de seca, mesmo este modelo dificilmente sustentável não poderia sobreviver. Menos chuva significava rendimentos mais baixos das culturas, o que por sua vez significava que os agricultores não podiam alimentar o gado durante os meses de inverno.

Alguns foram para o mar em busca de alimento, para caçar mamíferos marinhos que substituiriam animais que já não podiam criar em terra, mas isto era muito mais perigoso do que a agricultura, e mesmo a caça não estava garantida.

Lago a sul da Gronelândia
Uma parte dos sedimentos retirados do fundo do lago. Fonte: Diário de Notícias

À medida que os alimentos se tornaram escassos e inseguros, e com o aumento do gelo marinho amaçando o isolamento dos colonos da Europa continental, o destino da Groenlândia Viking estava praticamente garantido, revela o estudo.

Incapazes de lidar com as condições cada vez mais secas, os colonatos teriam enfrentado uma crescente instabilidade social até, eventualmente, serem forçados a abandonar as suas casas para, se não mais quentes, então certamente mais úmidas.

Abandono dos colonos nórdicos deveu-se às mudanças climáticas?

As causas do abandono dos colonos nórdicos são complexas e é difícil simplesmente atribuí-las exclusivamente às mudanças climáticas. Contudo, o resultado do estudo salienta que as mudanças hidroclimáticas estavam intimamente relacionadas com o destino do Assentamento do Leste.