tempo.com

Hipótese: "a mente depois da meia-noite", a transformação do cérebro humano

Um estudo recente tenta entender como a mente humana funciona à noite e levanta a hipótese de quando o cérebro se transforma após a meia-noite com efeitos negativos.

Mente depois da meia-noite; cérebro
A hipótese "Mente depois da meia-noite" postula que a mente se torna mais suscetível a pensamentos negativos e comportamento destrutivo após a meia-noite se estiver em estado de alerta.

De acordo com um artigo recentemente publicado em Frontiers in Network Physiology, há um momento da noite em que a mente humana se transforma. A maioria dos estudos anteriores até o momento examinou como o sono fragmentado ou insuficiente afeta o funcionamento do dia seguinte, mas este novo trabalho destaca as mudanças na cognição e no comportamento que ocorrem quando alguém está acordado à noite.

A noite está associada a um aumento de comportamentos impulsivos e desregulados. Neste trabalho, são considerados dados empíricos de quatro comportamentos: suicídio ou autolesão, crimes violentos, consumo de álcool ou outras substâncias e ingestão alimentar.

a mente humana durante o sono
Os ritmos circadianos influenciam a fisiologia e o comportamento humano, promovendo a vigília e a cognição durante o dia e reduzindo a atividade cortical para dormir à noite.

A publicação evidencia alterações dia-noite nos comportamentos desregulados mencionados acima e examina como o humor, o processamento de recompensas e a função executiva diferem durante a vigília noturna. Os autores propõem a hipótese que chamaram de "A Mente Depois da Meia-Noite".

Hipótese: "a mente depois da meia-noite"

Essa hipótese conhecida como "Mind After Midnight" em seu idioma original, postula que a mente humana se torna mais suscetível a pensamentos negativos e comportamentos destrutivos após a meia-noite se estiver em estado de alerta. Ocorrem mudanças na cognição e no comportamento, o processamento de recompensas, o controle de impulsos e o processamento de informações são alterados, preparando o cenário para comportamentos desregulados e distúrbios psiquiátricos.

Comportamentos desregulados

Mudanças noturnas ocorrem no cérebro. O aumento do risco noturno de comportamentos desregulados é provavelmente devido ao sono e alterações circadianas na neurofisiologia durante a vigília noturna.

Co-autor da hipótese Michael L. Perlis, Ph.D., pensou que os suicídios são estatisticamente mais prováveis de serem planejados durante a noite. Além disso, homicídios e crimes violentos também são mais frequentes à noite, assim como os riscos de uso ilícito ou inadequado de substâncias como maconha, álcool e opioides.

a mente depois da meia noite
Após o ajuste para a vigília da população, a taxa de risco de suicídio incidente aumenta substancialmente à noite (linha preta), com um risco 4,25 vezes maior às 2 da manhã. Gráficos: A. Scott Tubbs et al.

As escolhas alimentares noturnas também tendem a ser pouco saudáveis, com mais carboidratos, gorduras e alimentos processados e mais calorias do que precisamos.

No entanto, todos os aspectos desta hipótese requerem validação empírica. Os autores do estudo alertam que essas conclusões são apenas hipotéticas, mas recomendam ampliar os estudos que levem em consideração o efeito biológico da noite em geral.

Dessincronização do nosso relógio interno

Ao viver mais à noite e dormir durante o dia, o relógio circadiano se desajusta e, segundo o principal autor do estudo, a influência circadiana na atividade neural do nosso cérebro muda horas no decorrer de um dia, o que gera diferenças na forma como processamos e respondemos ao mundo.

A tendência de ver a informação de forma positiva é mais alta pela manhã, quando as influências circadianas estão sintonizadas com a vigília; por outro lado, estão em seu ponto mais baixo à noite, quando as influências circadianas estão sintonizadas com o sono.

mente humana dormindo
A noite está associada a um aumento de comportamentos impulsivos e desregulados.

A partir disso deduzem que vendo o mundo de uma forma mais negativa e pouco otimista, tendem a tomar más decisões e é possível que o mapa mental que criam do mundo ao seu redor não coincida mais com a realidade.

O corpo também produz naturalmente mais dopamina à noite, o que pode atrapalhar sua motivação e sistema de recompensa e aumentar a probabilidade de se envolver em comportamentos de risco.

mente humana
A dopamina atinge o pico em nosso corpo durante a segunda metade do período escuro.

Fatores biológicos se cruzam na vigília noturna e levam à hipótese da "Mente depois da Meia-noite" que os autores propõem como uma estrutura para interpretar os achados atuais e um guia para futuras pesquisas e surtos.