Aumento de lagos no Quênia e a ameaça à vida selvagem e humana

O aumento das chuvas no Vale da Fenda, no leste do continente africano, está aumentando o volume de dois importantes lagos no Quênia. De acordo com as autoridades, o constante aumento de ambos lagos pode resultar na junção dos mesmos, acarretando em problemas ambientais e sociais para a região.

Inundações em lagos africanos do Quênia.
Inundações atingindo povoados.

Situado entre o Oriente Médio e a África Oriental, o Grande Vale do Fenda surgiu com há cerca de 35 milhões de anos com a separação das placas tectônicas africanas e arábicas. Esse acidente geológico foi denominado por Vale da Fenda ou Rift Valley no inglês. A extensão total do Vale da Fenda é de 5.600 km, com paisagens e condições climáticas diferenciadas ao longo da formação geológica.

O vale também abriga cadeias de montanhas, lagos e vulcões, alguns dos quais ainda são ativos. Cerca de 9,5% dos lagos do continente africano estão localizados no Quênia. Oito deles constituem os principais lagos do Vale da Fenda que passa pelo Quênia. No entanto, desses oito lagos, apenas dois são de água doce, a saber os Lagos Baringo e Naivasha.

Chuvas fortes nos últimos meses forçaram a evacuação de milhares de pessoas no Vale da Fenda situado no Quênia devido às inundações. Casas, empresas, fazendas e até ilhas foram afetadas e danificadas. O aumento de dois lagos importantes trouxe ainda ameaças à vida selvagem e às comunidades entorno.

Os níveis de água aumentaram significativamente nos últimos anos no Lago Baringo e Bogoria, especialmente neste ano. Imagens comparativas entre maio de 2013 (à esquerda) e maio de 2020 (à direita) mostram a diferença de volume desses lagos. No extremo norte do Lago Bogoria, verifica-se inundações que estão localizadas a menos de 15 quilômetros do Lago Baringo. Essas imagens foram adquiridas pelo Operational Land Imager (OLI) no Landsat 8. Águas em tons de marrom e castanho revelam cargas pesadas de sedimentos suspensos.

Segundo o diretor sênior do Serviço de Vida Selvagem do Quênia, a área do Lago Baringo se expandiu 60% nos últimos sete anos, e agora cobre 270 km². Já a área do Lago Baringo cresceu 25% e cobre 43 km². O crescente aumento do volume dos lagos é preocupante, isso porque ambos corpos d´água são importantes para o sustento dos povoados locais, além de atrair turistas e abrigar a vida selvagem.

O Lago Baringo é utilizado no processo de irrigação e água potável, sendo também o lar de crocodilos do rio Nilo. Empresas, escolas, hotéis e habitações já sofreram danos pelo excedente de água do lago que é um Patrimônio Mundial e lar de centenas de espécies de pássaros. A principal atração turística do lago são os gêiseres e as fontes termais, mas com o aumento do volume do lago quase 80% dessas fontes termais estão submersas.

Entre as principais preocupações das autoridades, está a hipótese dos lagos se fundirem em breve, o que levaria a contaminação cruzada e ameaçaria ainda mais a vida selvagem. A distância que separava antigamente os dois lagos era de 20 km, mas agora caiu para 13 km, sendo que nenhum deles possuem saída para que o excedente de água seja drenado.