tempo.com

Tesouros arqueológicos surpreendentes surgem na Mesopotâmia devido à seca

A seca severa que vem afetando os caudais dos rios Tigre e Eufrates nos últimos anos, permitiu o ressurgimento de alguns tesouros arqueológicos que estavam cobertos por água. Veja aqui as imagens incríveis.

mesopotâmia seca Tigre Eufrates tesouros arqueológicos
Várias jazidas na área surgiram devido à seca severa.

A Mesopotâmia foi berço de várias das civilizações mais antigas do mundo e pioneira em muitos ramos do conhecimento, razão pela qual os tesouros arqueológicos da região são de valor imensurável.

As bacias dos rios Tigre e Eufrates, ao passarem pelo Iraque e Síria, são uma das áreas mais afetadas pelas mudanças climáticas. O drama da falta de chuvas deixa uma seca marcada e persistente nesta zona do Médio Oriente, e a grande queda do nível das águas dos rios permitiu o ressurgimento de vários tesouros arqueológicos.

Mudança climática na Mesopotâmia

Em algumas regiões do Iraque, a seca não deu trégua há anos, e os níveis de água no rio Tigre caíram para níveis alarmantes. É um dos países mais afetados pela crise climática. A falta de chuva aliada à ausência de infraestrutura adequada (devido a décadas de instabilidade política e guerras), se traduz em um grave problema de abastecimento de água sofrido por milhões de pessoas residentes no território da antiga Mesopotâmia.

Mesopotâmia seca Tigre Eufrates tesouros arqueológicos
A Mesopotâmia é a área do Oriente Próximo localizada entre os rios Tigre e Eufrates.

Além disso, Bagdá (capital e cidade mais populosa do Iraque) sofre com as dificuldades hidrográficas causadas pela Turquia e Irã por não cumprirem os acordos sobre a cota de água.

Recordemos que na Turquia nascem tanto o Tigre como o Eufrates, e do Irã vem o rio Karun, um importante afluente do Tigre. O esgotamento dos rios, a rápida desertificação, as tempestades de areia cada vez mais intensas e os agricultores temerosos do fracasso de suas colheitas e de seu futuro, são os fatores que ajudam a entender a situação atual.

Outro lado da seca: o ressurgimento dos tesouros

Recentemente, a diminuição do fluxo do rio Eufrates revelou vários sítios arqueológicos pertencentes a períodos que remontam a 11.000 anos atrás, no norte da Síria. Estes estavam sob as águas do reservatório Al Asad, construído no início dos anos 1970.

mesopotâmia seca tigre eufrates tesouros arqueológicos
A diminuição no fluxo do rio Eufrates descobriu vários sítios arqueológicos. Foto: EFE.

Outro exemplo é a colina de Tel Qamluq, onde emergiram vários depósitos no período de 3000 a.C. e 4000 a.C. Esses depósitos haviam sido explorados antes do enchimento do reservatório como parte de uma campanha internacional para salvar o patrimônio que seria coberto pelas águas após a construção da barragem.

Mas com o recente recuo da área inundada, Tel Meribet também ressurgiu, com restos do ano de 9000 a.C., e onde foi construído o que historicamente é considerado o primeiro muro sírio na área, com cerca de 11.000 anos.

A seca fez emergir uma antiga cidade

Um extenso complexo urbano que controlava grande parte do norte da Mesopotâmia e da Síria, a cidade de Zajiko, centro cultural do antigo reino Mitani (desenvolvido entre 1.550 e 1.350 a.C.), se somou aos incríveis tesouros arqueológicos que ressurgiram no Curdistão iraquiano, às margens do reservatório da barragem de Mossul. Segundo especialistas, ele pode ter aparecido em antigos textos babilônicos, mas sua localização exata era desconhecida.

Esta cidade surgiu das águas pela primeira vez em 2018, quando os pesquisadores conseguiram mapeá-la. Com o avançar dos anos e o aprofundamento da seca, neste início de 2022 muito mais foi analisado.

mesopotâmia seca tigre eufrates tesouros arqueológicos
Arqueólogos trabalharam sob pressão para cavar e documentar rapidamente antes que as águas subam novamente. Foto: EFE.

Eles encontraram edifícios residenciais e administrativos, uma fundição de metais, uma enorme fortificação com paredes de até seis metros de largura com torres, um edifício monumental de armazenamento de vários andares e um complexo industrial.

Arqueólogos trabalharam sob pressão para escavar e documentar rapidamente pelo menos parte desta cidade antes que ela fosse submersa novamente. Eles ficaram chocados com o bom estado de conservação das paredes de tijolos de barro seco ao sol, que ficaram debaixo d'água por mais de 40 anos. Isso ocorre porque a cidade foi destruída por um terremoto por volta de 1.350 a.C., durante o qual as partes superiores das paredes desmoronaram e enterraram os edifícios.

mesopotâmia seca tigre Eufrates tesouros arqueológicos
A cidade de Zajiko era um centro cultural do antigo reino de Mitani. Foto: EFE.

Eles também encontraram cinco vasos de cerâmica contendo um arquivo de mais de 100 tabuletas cuneiformes (letras), feitas de barro cru do período assírio médio e depois daquele terremoto. Alguns ainda estão em seus envelopes e em boas condições. Os pesquisadores esperam que esta descoberta forneça informações sobre o fim da cidade do período Mitani e o início do domínio assírio na região.

Para evitar a deterioração quando o nível da água subir novamente, os edifícios escavados foram completamente cobertos com lonas plásticas e preenchidos com cascalho como parte de um extenso projeto de conservação financiado pela Fundação Gerda Henkel.