Temporada de tornados muito ativa nos EUA

A primavera de 2019 tem sido com atividade tornádica acima da média nos Estados Unidos. Nos últimos dias, um surto de mau tempo acompanhado de granizo, ventos fortes e tornados atingiu as planícies centrais.

Bruno César Capucin Bruno César Capucin 22 Maio 2019 - 19:22 UTC

Enquanto a primavera se desenvolve no Hemisfério Norte, mais surtos de tornados estão atingindo os Estados Unidos. De acordo com a National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), só em maio já teve mais de 270 tornados reportados em território nacional, sem falar nos outros fenômenos meteorológicos de alto impacto como inundações, ventos prejudiciais e granizo. Por enquanto não há sinal de trégua do mau tempo, visto que sucessivos distúrbios na corrente de jato estão sendo esperados até o final do mês.

A temporada de tornados de 2019 tem apresentado atividade acima da média segundo os especialistas. O surto mais recente eclodiu na última segunda-feira entre os Estados do Texas, Oklahoma, Kansas e Missouri. No entanto, o sistema de tempestade se manteve ativo ontem, produzindo mais uma série de tornados no Kansas e Missouri. No total, cerca de 63 tornados foram reportados entre segunda-feira e ontem. Neste surto, Oklahoma foi um dos Estados mais afetados, mas felizmente os impactos foram em áreas pouco povoadas. Não houve registro de mortes em nenhum dos Estados.

Em geral, o tempo severo nos EUA é conduzido pelas mudanças no comportamento da corrente de jato (jet stream). Quando uma decida profunda do jato se estabelece sobre às Montanhas Rochosas, o ar quente e úmido do Golfo do México é atraído com facilidade em direção as planícies centrais, frequentemente na dianteira das frentes frias ou linhas secas típicas na primavera. Nesta situação, uma forte atividade convectiva é observada, com imponentes cumulonimbus ganhando rotação para originarem as supercélulas.

Uma supercélula é um tipo de tempestade severa que possui uma corrente ascendente em rotação (mesociclone). Elas se formam em um ambiente altamente instável e com forte cisalhamento do vento. Os meteorologistas utilizam radares meteorológicos de alta performance para identificar os mesociclones. Uma corrente ascendente possui uma assinatura do tipo "eco em ganho" no produto refletividade. Já no produto Doppler, a assinatura é através de um campo dipolo da velocidade radial.

Publicidade