Chuvas torrenciais causam desabamentos e alagamentos pelo país

A chuva intensa atingiu os estados do sudeste, sul do nordeste e parte do centro-oeste do Brasil. Foram registrados deslizamentos de terra, alagamentos, destelhamentos de casas por rajadas de vento, risco de rompimento de barragens, tombamento de árvores, falta de energia e de água potável.

Davi Moura Davi Moura 25 Jan. 2020 - 19:54 UTC
Chuva em BH, Kurumi
Chuva recorde castiga a Grande Belo Horizonte, em Minas Gerais, e provoca mortes. Fonte: G1.

Esta semana um fenômeno meteorológico chamou a atenção da Marinha do Brasil. A tempestade subtropical Kurumi se desenvolveu sobre o Atlântico Sul e passou a afetar a costa leste do Brasil de maneira sucinta inicialmente. Na sexta-feira (24), a marinha reclassificou Kurumi como depressão subtropical por estar perdendo Intensidade. Entretanto, a combinação do Kurumi com a formação da primeira Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) favoreceu o tempo severo no sudeste, sul do nordeste e centro-oeste.

As chuvas severas em Minas Gerais bateram um recorde. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, a cidade de Belo Horizonte registrou, em 24 horas, o maior volume de chuva contínua em 110 anos, desde que a medição começou a ser feita. Das 9h de quinta-feira (23) até 9h desta sexta (24) a cidade recebeu 171,8 milímetros de chuva.

A chuva intensa em Minas Gerais veio acompanhada de caos. Várias avenidas em Belo Horizonte ficaram alagadas, quatro pessoas foram soterradas durante um deslizamento de terra, três mortes já foram confirmadas. Em Contagem (MG) e Betim (MG) casas desabaram e famílias tiveram que ser removidas de áreas de risco. Mais de 2 mil estão desabrigadas ou desalojadas em Minas Gerais.

Na Bahia, um prédio desabou após as fortes chuvas em Salvador. Várias ruas das cidades de Feira de Santana (BA) e Alagoinhas (BA) ficaram alagadas e cheias de lixo que foram descartados de maneira irregular. Em Vitória (ES), 3300 pessoas ainda estão desabrigadas devido a chuva da semana anterior. Esta semana, a situação se agravou e 7 pessoas morreram. O governo federal reconheceu estado de calamidade pública para quatro cidades capixabas: Iconha, Vargem Alta, Alfredo Chaves e Rio Novo do Sul, as mais prejudicadas pelo temporal.

Previsão do Tempo

A ZCAS é um sistema persistente e deve continuar atuando sobre as regiões afetadas pelas chuvas intensas dos últimos dias. Em altos níveis da troposfera, a Alta da Bolívia deve se deslocar lentamente para oeste (afastando-se do Brasil), enquanto os Jatos de Altos Níveis perdem intensidade sobre o sudeste do País. Em baixos níveis, os Jatos de Baixos Níveis também devem enfraquecer e lentamente irá cortar o transporte de umidade para a ZCAS.

Essa configuração fará a ZCAS perder força nos próximos dias enquanto Kurumi se afasta do litoral brasileiro. Todavia, as chuvas ainda devem permaneceram ativas neste final de semana até a terça-feira sobre o sudeste, centro-oeste e partes do sul do nordeste. Na quarta-feira a chuva deve se concentrar em alguns pontos do sudeste de forma espaçada.

Publicidade