Zona de convergência se mantém e chuvas não dão trégua no Centro-Norte

Oficialmente a tempestade subtropical Kurumí se formou, porém o sistema já se encontra bastante afastado no fim de semana. Por outro lado, a zona de convergência continua a provocar bastante chuva no Centro-Norte do país.

Tiago Robles Tiago Robles 24 Jan. 2020 - 15:55 UTC
ZCAS e o ciclone Kurumi
Oficialmente a tempestade subtropical Kurumí se formou, mas será que irá se manter ao longo do fim de semana? As chuvas continuam volumosas.

Ao longo da última quinta-feira (23) a baixa pressão que se formou próximo a costa do Sudeste, ganhou intensidade se tornando uma depressão subtropical e, posteriormente, uma tempestade subtropical podendo, então, ser nomeado de Kurumí.

Devido à circulação do sistema, que contribuiu para o transporte de umidade para o leste da Região Sul, à presença da Alta da Bolívia e à formação de uma zona de convergência, as chuvas foram bastante distribuídas pelo país, com acumulados de até 60 mm ocorrendo em todas as regiões. Até o momento não houve registros grande transtornos, apenas de pontos de alagamentos nos centros urbanos de Minas Gerais e do Espírito Santo.

Alertas e destaques para o fim de semana

No sábado (25), a previsão é de que o ciclone já se encontre mais afastado e não possua as características subtropicais adquiridas ao longo da quinta-feira (23). Pelo diagrama de fases do modelo GFS é possível observar a evolução do sistema e a sua mudança para características extratropicais no decorrer da trajetória A-Z, o que evidencia o caráter híbrido dos sistemas subtropicais. Essa condição contribui para a formação de uma frente fria e da manutenção da zona de convergência sobre o Centro-Norte do país.

Assim, o tempo instável e chuvoso desde o norte dos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo até a faixa norte do país, uma vez, que nesta última parte, há a atuação da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). As chuvas mais volumosas e os maiores impactos são esperados para os estados de Minas Gerais, do Espírito Santo, de Goiás e do Tocantins e para as regiões do oeste da Bahia, leste do Mato Grosso e sul dos estados do Maranhão e do Piauí. Há potencial para inundações e forte enxurradas.

No domingo (26), o ciclone, agora podendo ser extratropical, já se encontra bastante afastado, porém a presença de um cavado contribui para a manutenção da zona de convergência, que poderá ser classificada como ZCAS, como previsto anteriormente.

Como resultado, teremos mais um dia nublado e chuvoso, com diminuição dos volumes, mas ainda com potencial para transtornos devido à persistência das chuvas e pelo fato de que podem ocorrer com moderada a forte intensidade, pela manhã no norte de Minas Gerais, em Goiás, no Tocantins e no oeste da Bahia, e na parte da tarde no centro-sul e Triângulo Mineiro, no Espírito Santo, no sul baiano e do estado de Goiás.

No Rio Grande do Sul, devido à passagem de um pequeno cavado há chance para pancadas isoladas na região Sul e da Campanha a partir do fim da tarde. No restante do Centro-Sul do país, o tempo segue firme com temperaturas amenas pela manhã e calor na parte da tarde.

Publicidade