Tempestade tropical Humberto atinge as Bahamas

Após os fortes impactos deixados pelo furacão Dorian de categoria máxima em parte das Bahamas, a tempestade tropical Humberto está influenciando às condições do tempo nas proximidades do noroeste do país, local mais devastado pelo Dorian no começo do mês.

Bruno César Capucin Bruno César Capucin 15 Set. 2019 - 12:38 UTC
Imagem de satélite (GOES-16): Tempestade tropical Humberto ontem nas Bahamas.

O furacão Dorian que atingiu as Bahamas como categoria máxima deixou um rastro de destruição no país. Dorian foi o ciclone tropical mais intenso a atingir o noroeste das Bahamas nos registros modernos, tendo ventos sustentados de 295 km/h e rajadas entorno de 350 km/h.

A fúria de Dorian devastou principalmente as ilhas Ábaco e a Grande Bahamas, onde a maior parte das habitações foram destruídas. A maré de 9 metros (storm surge) provocada pelo ciclone, impactou prédios e submergiu muitas áreas afetadas. Cerca de 1.300 pessoas estão desaparecidas e 50 morreram de acordo com o serviço de emergência do arquipélago.

No dia 10 de setembro, uma onda tropical passou a ser monitorada pela NOAA ao norte do República Dominicana e Haiti. Entre quarta e quinta-feira (dias 11 e 12), o distúrbio se dirigiu para noroeste, influenciando às condições do tempo nas ilhas do sul das Bahamas. Na sexta-feira, o sistema se intensificou para uma depressão tropical e ontem atingiu o status de tempestade tropical, recebendo o nome de Humberto. É importante lembrar que uma tempestade tropical, é uma categoria que antecede a de um furacão de categoria 1 (escala Saffir-Simpson).

Com pressão de 1004 hPa ontem, Humberto sustentou ventos de 83 km/h e formou trovoadas que continuaram a influenciar principalmente as ilhas do sul das Bahamas enquanto se deslocou para noroeste. Mas uma aproximação perigosa do centro da tempestade no noroeste do arquipélago devastado por Dorian, deixou essa região sob alerta de ventos prejudiciais de acordo com o boletim da NOAA do sábado.

Apesar de uma certa similaridade entre a rota do Dorian no começo do mês e do Humberto nos últimos dias, Humberto terá um destino menos ameaçador na costa leste dos Estados Unidos. Isso porque, agora que a tempestade tropical está deixando a região das Bahamas, o sistema fará uma curva acentuada para o leste e minimizará qualquer chance de impactos aos americanos. No entanto, a medida que se afasta para o Atlântico Norte, Humberto pode se tornar um furacão de categoria 1 em direção as ilhas Bermudas.

No começo da semana, a configuração de grande escala será a responsável por afastar a tempestade tropical dos Estados Unidos. Conforme o giro da Alta Subtropical do Atlântico Norte ajuda a guiar o ciclone para nordeste, a corrente de jato se instalará de maneira ondulada entre a América do Norte e o Atlântico. O mergulho para sul esperado para acontecer a leste do continente permitirá que uma frente fria seja empurrada ao encontro de Humberto. Estes fatores devem atrair o sistema para o oceano, mas ainda existem incertezas nestas previsões.

Publicidade