Os principais eventos astronômicos para contemplar o céu em 2020

Este ano está cheio de motivos para olhar mais pro céu noturno: superluas, lua azul, eclipses, chuvas de meteoros e a ilustre presença de Júpiter e Saturno. Separamos as principais datas para você anotar no seu calendário e não perder essas preciosidades!

Carolina Barnez Carolina Barnez 23 Jan. 2020 - 12:55 UTC
Fenômenos Astronômicos
2020 está repleto de eventos astronômicos fantásticos.

2020 está cheio de eventos astronômicos interessantes. São superluas, Lua Azul, eclipses, chuva de meteoros e a presença ilustre de Saturno e Júpiter enfeitando o céu. Separamos as principais datas para você anotar no seu calendário e se preparar para contemplar toda beleza da nossa abóboda celeste neste ano.

Lua

São 3 superluas em 2020 aqui no Brasil! A superlua ocorre quando a Lua, normalmente na fase cheia, está mais próxima da Terra e por isso, pode parecer até 14% maior. Uma já foi dia 9 de fevereiro, mas se você perdeu, não tem problema! Haverá mais duas: 9 de março e 7 de abril. Uma bela e rara Lua Azul acontecerá na noite de Halloween (Dia das Bruxas ou do Saçi), dia 31 de outubro. Lua Azul é o nome que se dá para a segunda Lua Cheia em um mesmo mês, e não está relacionada com a cor do satélite natural. É possível que a lua exiba um brilho azulado devido a condições atmosféricas, mas a ocorrência delas não é previsível. Este tipo de fenômeno já é pouco comum, mas é ainda mais raro quando coincide com a noite de Halloween. A próxima vez que isso acontecerá será daqui a 19 anos!

Júpiter e Saturno

Júpiter e Saturno marcarão presença no céu durante o inverno. Os maiores planetas do nosso sistema solar estarão visíveis, com ou sem telescópio. Eles estarão visíveis principalmente no mês de julho, quando suas órbitas estarão mais próximas da Terra. Júpiter estará em posição oposta ao Sol, quando observado da Terra, dia 14 de julho. Saturno estará na mesma situação um pouco depois, dia 20 de julho.

Chuvas de meteoros

Todo ano temos chuvas de meteoros, algumas vezes mais visíveis que outras. Neste ano teremos as Líridas, Eta Aquáritas, Delta Aquáridas, Orionidas, Leonidas e as Geminídeas. O nome da chuva de meteoros é dado de acordo com o nome da constelação mais próxima ao evento: Líridas ocorre próximo à constelação de Lira, Orionidas, perto da constelação de Orion, e assim por diante.

A Líridas será visível nas madrugadas entre os dias 16 e 25 de abril, com auge de 22. A Eta Aquáridas ocorrerá também em abril, entre os dias 6 e 7. A chuva de meteoros Eta Aquáridas é resultado de partículas provenientes do cometa Halley.

Entre os dias 28 e 29 de julho há o ápice da chuva de Delta Aquaridas. Essa chuva de meteoro promete ser belíssima, pois é considerada intensa (até 25 meteoros por hora) e por ter meteoros brilhantes e mais lentos, promovendo riscos longos e luminosos no céu.

A passagem do cometa Halley ocasionará outra chuva de meteoros, a Orionidas, com auge entre os dias 21 e 22 de outubro, com uma média de 40 meteoros por hora. Outro cometa será responsável pela chuva de meteoros Leonidas, o cometa Tempel-Tuttle. A Leonidas acontecerá entre os dia 6 e 30 de novembro, com ápice nos dias 17 e 18.

Dezembro, o grand finale

Para fechar o ano com chave de ouro, dezembro chega cheio de surpresas. A chuva de meteoros Gemínias, a mais importante do ano, atingirá seu auge entre 13 e 14 de dezembro, podendo chegar a 120 meteoros por hora. Ainda no dia 14, haverá um eclipse solar total, mas ele só poderá ser visto em sua totalidade no sul do Chile e na Argentina. No Brasil, o eclipse solar será visto como parcial, sendo que quanto mais ao sul do país, mais será a porção do Sol encoberta pela Lua. Por fim, no dia 21 de dezembro, dia do nosso solstício de verão, seremos presenteados com a conjunção de Júpiter e Saturno. Nesse dia este dois planetas estarão muito próximos um do outro, mais próximos que estiveram desde 1623. Com certeza, um espetáculo único e imperdível.

Publicidade