O incomum comportamento do buraco de ozônio em 2019

O tamanho do buraco na camada de ozônio varia ao longo do ano. Geralmente, forma-se em agosto, com seu pico em outubro, antes de finalmente fechar no final de novembro ou dezembro. O buraco não só fechará mais cedo do que o habitual em 2019, mas também é o menor em 30 anos.

Davi Moura Davi Moura 17 Nov. 2019 - 12:42 UTC
Diferentemente do ozônio troposférico, o ozônio estratosférico é fundamental para filtrar a radiação nociva aos seres humanos.

As previsões do Serviço de Monitoramento de Atmosfera Copernicus (CAMS), que usa medições totais de ozônio da missão Copernicus Sentinel-5P processada no Centro Aeroespacial Alemão, previram que o buraco de ozônio deste ano se fechará mais cedo que o normal. A extensão máxima do buraco de ozônio neste ano foi de cerca de 10 milhões de quilômetros quadrados, menos da metade do tamanho que o buraco de ozônio normalmente alcançava nas últimas décadas. Isso o torna um dos menores orifícios de ozônio desde os anos 80. As previsões de ozônio do CAMS preveem que o buraco no ozônio será fechado dentro de uma semana.

Este recorde de tamanho e duração de pequenos buracos de ozônio durante 2019 foi causado pelo aquecimento da estratosfera sobre o Polo Sul. No entanto, é importante observar que este é um evento incomum e não indica que a recuperação global do ozônio está acelerando. Grandes flutuações nos vórtices polares e temperaturas na estratosfera levam a buracos de ozônio que variam em tamanho. Este ano, a estratosfera polar mais quente causou uma desaceleração dos campos de vento ao redor do Polo Sul, ou o vórtice polar, e reduziu a formação das 'nuvens estratosféricas polares' que permitem a química necessária para uma rápida perda de ozônio.

O buraco no ozônio é um exemplo perfeito das evidências científicas levaram a mudanças políticas significativas e subsequentemente mudanças no comportamento humano. O buraco no ozônio foi descoberto na década de 1970, monitorado continuamente a partir do espaço e por dispositivos in situ e, finalmente, na década de 1980, levou ao Protocolo de Montreal proibir o uso de clorofluorcarbonetos.

Qual a Importância do ozônio estratosférico?

No alto da estratosfera, o ozônio atua como um escudo para nos proteger da radiação ultravioleta nociva do Sol, associada ao câncer de pele e catarata, além de outras questões ambientais. Nas décadas de 1970 e 1980, o uso generalizado de clorofluorcarbonetos prejudiciais em produtos como geladeiras e latas de aerossol danificou o ozônio no alto de nossa atmosfera - o que levou a um buraco na camada de ozônio acima da Antártica.

Publicidade