Intensa onda de calor quebra recordes no Alasca

Enquanto o Brasil registra temperaturas polares, o Alasca registra temperaturas tropicais! Os termômetros ultrapassaram os 30°C no estado americano do Alasca, que apesar de estar em seu período de verão, não está habituado com temperaturas tão elevadas.

Paola Bueno Paola Bueno 09 Jul. 2019 - 11:23 UTC
Intensa onda de calor no Alasca fez com que muitos residentes recorressem aos lagos da região para se refrescar. Foto: USA Today.

O 4 de julho desse ano, feriado de independência dos Estados Unidos, ficará marcado na história do estado americano do Alasca. Uma forte onda de calor que atinge o estado fez com que as temperaturas ultrapassassem os 30°C em diversas cidades que, por mais que estejam em seu período de verão, não estão habituadas a temperaturas tão elevadas!

Na cidade de Anchorage, a maior e mais populosa cidade do Alasca localizada no sul do estado, os termômetros chegaram a impressionante marca de 32.2°C, um novo recorde! De acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia (NWS, na sigla em inglês) de Anchorage essa temperatura foi registrada por volta da 17h, no horário local, no Aeroporto Internacional Ted Stevens. O recorde anterior da cidade era de 29.4°C, marcado no dia 14 de junho 1969 e a temperatura máxima esperada em Anchorage para o dia 4 de julho é de somente 18°C. Portanto, a temperatura marcada no último dia 4 ficou 14°C acima da média climatológica!

Várias outras cidades no sul do estado também estabeleceram novos recordes de temperatura no dia 4 de julho, algumas registrando o dia mais quente da história. O principal sistema meteorológico responsável é um extenso sistema de alta pressão estacionário sobre o centro sul do Alasca, que tem colaborado para o tempo seco e o calor extremo desde o início do mês.

As famosas queimas de fogos de 4 de julho foram canceladas devido ao alto risco de incêndios florestais. Atualmente existem 17 incêndios florestais ativos no Alasca, um dos maiores é o chamado Swan Lake Fire, a sul de Anchorage, no Refúgio Nacional de Vida Selvagem de Kenai. O Swan Lake Fire foi iniciado por um raio no dia 5 de junho e até o momento já atingiu uma área de quase 97 mil acres, aproximadamente 392 km², uma área equivalente à cidade de Belo Horizonte, e somente 14% do incêndio foi contido até então.

De acordo com o NWS a onda de calor deve continuar ao longo dessa semana, então diversas partes do Alasca ainda devem registrar temperaturas acima de 30°C. Porém, ao longo da semana o sistema de alta pressão perderá intensidade e se moverá para oeste em direção ao Mar de Bering. Com isso, no final da semana, os ventos de norte voltarão a levar ar mais frio do Polo Norte para o interior do estado, diminuindo as temperaturas e criando condições favoráveis ao retorno das chuvas.

O mês passado já havia batido um recorde como o junho mais quente da história do Alasca, com uma temperatura média de 15.8°C, 11.6°C acima da média climatológica de acordo com a NWS! Junho marcou o 16° mês consecutivo em que as temperaturas ficaram acima do normal, todos seus 30 dias registraram temperaturas acima da média. Além de muito quente, junho foi um mês muito seco, o mais seco desde os inícios dos registros em 1954, registrando somente 1,5 mm de chuva, somente 6% do esperado para todo o mês.

Publicidade