tempo.com

Grande terremoto é detectado em Marte!

Os dados fornecidos pela sonda InSight indicaram que um terremoto de magnitude 5 foi registrado em Marte no dia 4 de maio. É o maior terremoto já observado em outro planeta.

Marte
A sonda inSight detectou um grande terremoto em Marte em 4 de maio.

A sonda InSight Mars da NASA detectou o maior terremoto já observado em outro planeta. Trata-se de um terremoto de magnitude 5 que ocorreu em Marte no dia 4 de maio, o 1.222º dia marciano da missão. Isso aumenta o número de 1.313 tremores que a InSight detectou desde que pousou em Marte em novembro de 2018. O maior terremoto registrado anteriormente foi estimado com uma magnitude de 4,2, detectado em 25 de agosto de 2021.

A InSight foi enviada a Marte com um sismômetro altamente sensível, fornecido pelo Centro Nacional de Estudos Espaciais (CNES) da França, para estudar o interior profundo daquele planeta. Quando as ondas sísmicas passam ou refletem o material da crosta, o manto e o núcleo de Marte, elas mudam de maneira que os sismólogos conseguem determinar a profundidade e a composição dessas camadas. Segundo a NASA, o que os cientistas aprendem sobre a estrutura de Marte pode ajudá-los a entender melhor a formação de todos os mundos rochosos, incluindo a Terra e sua Lua.

Um tremor de magnitude 5 é um tremor de tamanho médio em comparação com os sentidos na Terra, mas está perto do limite superior do que os cientistas esperavam ver em Marte durante a missão InSight. A equipe científica precisará estudar mais esse novo tremor antes de dar detalhes como sua localização, a natureza de sua origem e o que ele pode nos dizer sobre o interior de Marte.

Informações fornecidas pelos terremotos

Bruce Banerdt, pesquisador principal da InSight no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA, no sul da Califórnia, é quem lidera a missão. Banerdt disse que "desde que montamos nosso sismômetro em dezembro de 2018, esperávamos por "um grande'", algo que agora aconteceu. "Este tremor fornecerá uma visão do planeta como nenhuma outra". Os cientistas analisarão esses dados para aprender coisas novas sobre Marte nos próximos anos.

O grande terremoto ocorre quando a InSight enfrenta novos desafios com seus painéis solares, que alimentam a missão. À medida que a localização da InSight em Marte entra no inverno, mais poeira está no ar, reduzindo a luz solar disponível. Em 7 de maio, a energia disponível da sonda caiu abaixo do limite que ativa o modo de segurança, no qual a espaçonave suspende todas as funções, exceto as mais essenciais.

Essa reação é projetada para proteger a sonda e pode ocorrer novamente à medida que a energia disponível diminui lentamente. Depois que a sonda completou sua missão principal no final de 2020, cumprindo suas metas científicas originais, a NASA estendeu a missão até dezembro de 2022.

Marte e seu núcleo líquido

Vários centros europeus, entre eles o CNES e o Centro Aeroespacial Alemão (DLR), apoiam a missão InSight. O CNES forneceu à NASA o instrumento Seismic Experiment for Interior Structure (SEIS), cujo pesquisador principal é o IPGP (Institut de Physique du Globe de Paris). O IPGP, o Instituto Max Planck para Pesquisa do Sistema Solar (MPS) na Alemanha, o Instituto Federal Suíço de Tecnologia (ETH Zurique) na Suíça, o Imperial College de Londres, a Universidade de Oxford no Reino Unido, e o JPL fizeram importantes contribuições para o SEIS.

Superfície de Marte
Os dados sismológicos de Marte fornecem muitas informações sobre seu interior e ajudam a entender o que acontece em outros corpos rochosos, até mesmo como a Terra.

O DLR forneceu o instrumento Heat Flow and Physical Properties Package (HP3), com contribuições significativas do Centro de Pesquisa Espacial (CBK) da Academia Polonesa de Ciências e da Astronomia na Polônia. O Centro de Astrobiologia (CAB) da Espanha forneceu os sensores de temperatura e vento. Toda essa tecnologia está ajudando a coletar informações vitais sobre Marte.

A InSIght confirmou que o centro do planeta vermelho está derretido. As conclusões vêm à tona esta semana em três artigos publicados na revista Science, onde é revelada a estrutura interna de Marte. O estudo dos sinais obtidos após a detecção de alguns pequenos terremotos no passado, permitiu determinar que Marte tem um núcleo líquido com um raio de cerca de 1.830 quilômetros.