tempo.com

Descobriram efeitos incríveis após a violenta erupção do Hunga Tong

Dois artigos científicos dão conta das implicações da erupção vulcânica mais intensa dos últimos 140 anos. Ondas atmosféricas circundaram o planeta várias vezes em diferentes direções e também atingiram a ionosfera, afetando padrões climáticos conhecidos.

Vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai
O vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai em 6 de janeiro de 2022, antes da erupção em 14 de janeiro de 2022. Crédito: Maxar/Getty Images

A erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai em janeiro causou resultados devastadores para a região, tornando-se um evento com implicações globais, o mais intenso em 140 anos após a erupção do vulcão Krakatoa em 1883.

Agora, dois estudos recentes de 76 cientistas de 17 países caracterizaram essa enorme explosão, mostrando resultados surpreendentes.

O primeiro estudo, publicado na revista Science, descobriu que as ondas atmosféricas produzidas pela erupção maciça circundaram o globo inteiro quatro vezes em uma direção e três vezes na outra. Os cientistas também descobriram que os ventos produzidos por essas ondas chegaram até a ionosfera e influenciaram os padrões climáticos no espaço, de acordo com um segundo estudo publicado na Geophysical Research Letters.

Ondas atmosféricas circundaram o globo várias vezes.

O primeiro estudo indica que as ondas atmosféricas são as mais fortes registradas por um vulcão desde a erupção do Krakatoa em 1883 na Indonésia.

Este evento de onda atmosférica é sem precedentes no registro geofísico moderno”, diz o principal autor Robin Matoza, professor associado do Departamento de Ciências da Terra da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, nos EUA.

A equipe estava interessada no comportamento da onda de pressão dominante produzida pela erupção, um tipo de onda atmosférica chamada onda Lamb. Estas são ondas de pressão longitudinais, como ondas sonoras, mas incrivelmente baixas em frequência.

Nomeadas em homenagem ao matemático do início do século 20 Horace Lamb, essas ondas podem manter sua forma enquanto viajam e, portanto, são visíveis por um longo tempo. As ondas Lamb são comumente associadas a grandes explosões atmosféricas, como detonações nucleares.

No caso da erupção vulcânica de Tonga, ela criou pulsos de onda Lamb que circundaram a Terra pelo menos quatro vezes em uma direção e três vezes na direção oposta. Também atingiu a ionosfera, subindo a uma altitude de cerca de 450 quilômetros. Ele supostamente até alimentou o aparecimento de nuvens sobre o Reino Unido, localizado a 10.000 milhas de Tonga.

Perturbações no clima espacial

O segundo trabalho analisou dados da missão Ionosphere Connection Explorer (ICON) da NASA e dos satélites Swarm da Agência Espacial Europeia (ESA). Eles descobriram que ventos com velocidades semelhantes a ciclones e correntes elétricas incomuns se formaram na ionosfera nas horas após a erupção.

As ondas de Lamb fizeram com que ventos fortes se expandissem para cima, que, a medida que se propagavam em camadas atmosféricas mais finas, começaram a se mover mais rápido e afetar as correntes elétricas ali presentes.

Vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai
A erupção Hunga Tonga-Hunga Ha'apai causou muitos efeitos que foram sentidos em todo o mundo e até no espaço. Crédito: NASA Goddard Space Flight Center/Mary Pat Hrybyk-Keith.

As partículas na ionosfera geralmente formam uma corrente elétrica que flui de leste para oeste, chamada de eletrojato equatorial, mas após a erupção, aumentou para cinco vezes sua potência máxima normal, depois mudou drasticamente de direção e fluiu para oeste por um curto período de tempo. clima.

"É muito surpreendente ver que o eletrojato é amplamente revertido por algo que aconteceu na superfície da Terra", diz a coautora Dra. Joanne Wu, física da UC Berkeley. “Isso é algo que só vimos antes com fortes tempestades geomagnéticas, que são uma forma de clima no espaço causada por partículas e radiação do Sol”.