tempo.com

Chuvas provocam mortes na Índia e Bangladesh. Seria a La Niña culpada?

Nos últimos dias, partes da Índia e Bangladesh têm enfrentado chuvas torrenciais que provocaram grandes inundações e deslizamentos de terra, causando a morte de mais de 100 pessoas. La Niña tem parte da culpa, mas outros sistemas meteorológicos também contribuíram para essa catástrofe.

Inundações Índia e Bangladesh
Inundações históricas têm afetado o nordeste da Índia e Bangladesh nas últimas semanas, provocando dezenas de mortes e muitos prejuízos.

A época de monções no sudeste asiático começou com força neste mês de junho, provocando chuvas muito volumosas na Índia, Bangladesh e também em partes da China. Apesar de ser um fenômeno meteorológico recorrente, que ocorre todos os anos nesse período, as chuvas deste ano têm sido mais volumosas que o normal, provocando inundações históricas e trágicas!

Índia e Bangladesh estão enfrentando o pior episódio de inundações em anos. La Niña tem parte da culpa, mas outros sistemas meteorológicos como a Oscilação de Madden Julian e o Dipolo do Oceano Índico também tem contribuído.

Pelo menos 116 pessoas morreram após dias de chuvas torrenciais no nordeste da Índia e Bangladesh, além de milhões que tiveram que deixar suas casas, que foram completamente tomadas pelas águas. Autoridades locais dos dois países agora lutam para conseguir salvar milhões de pessoas que continuam isoladas e fornecer alimentos secos e água potável para os atingidos por essa catástrofe.

Em Bangladesh, as inundações estão sendo consideradas as piores em 122 anos no nordeste do país. Uma dúzia de distritos no norte e nordeste foram inundados, forçando evacuações em massa de cerca de 400 mil pessoas e outras milhões foram abandonadas por ficarem presas pelas águas.

Até essa sexta, pelo menos 68 pessoas morreram em Bangladesh desde meados de maio devido às inundações, deslizamentos de terra e eletrocutamento por raios. Mais de 4 mil pessoas foram infectadas por doenças transmitidas pelas águas, incluindo crianças.

Na Índia, pelo menos 48 pessoas morreram desde o meio deste mês, principalmente no estado de Assam, no nordeste do país, mas o número de mortes pode ser maior. Só no estado de Assam, mais de 5,5 milhões de pessoas foram afetadas pelas inundações. Assam e o estado vizinho, Meghalaya, receberam 134% mais chuvas do que a média nesta época do ano. Os acumulados pelo país variaram de 200 até 900 mm de chuva acumulada nos últimos dias!

La Niña seria a culpada por essa tragédia?

Certamente, não podemos descartar a culpa da La Niña nesse episódio de chuvas intensas no sudeste asiático. Afinal, já é bem conhecido que um dos efeitos da La Niña é a intensificação das chuvas de monções sobre a Índia e partes da Ásia, fazendo com que anos de La Niña registrem volumes acima do normal nessa época.

Partes das áreas afetadas pelas inundações atuais testemunharam graves inundações em 2021 e 2020, além de uma intensa onda de calor a algumas semanas atrás. A ocorrência consecutiva de eventos climáticos dessa magnitude não permite a recuperação dessas áreas, deixando-as cada vez mais vulneráveis!

Além da La Niña, o Oceano Índico tem apresentado um dipolo de anomalias de Temperatura da Superfície do Mar (TSM) que poderá caracterizar a fase negativa do Dipolo do Oceano Índico (DOI), fase que também favorece as chuvas no leste da Índia, Bangladesh e China, devido a presença de águas mais quentes que o normal próximo a essas regiões, fornecendo mais calor e umidade para o sistema de monções. A Oscilação de Madden Julian também impulsionou as chuvas no sudeste asiático em períodos em que esteve bem ativa sobre a região.

Por fim, não podemos descartar a provável contribuição das mudanças climáticas, já que os eventos climáticos extremos estão se tornando cada vez mais frequentes no sul da Ásia. O relatório do IPCC lançado neste ano alerta que há uma confiança média de que as ondas de calor e o estresse úmido se tornarão mais intensos e frequentes e que a precipitação das monções de verão aumentarão.