Chuva arrasa Corumbá, que deve decretar estado de emergência

Em poucas horas, Corumbá registrou 187 mm de chuva - Mais do que o esperado para o mês inteiro. Os alagamentos deixaram 140 famílias desabrigadas e a cidade deve decretar estado de emergência.

Chuva arrasa Corumbá, que deve decretar estado de emergência
Bombeiros contam com a ajuda de moradores locais para realizar um resgate em meio ao alagamento. (imagem: Corpo de Bombeiros de Corumbá)

Pelo menos três horas de chuva intensa arrasaram a cidade de Corumbá, no Mato Grosso do Sul, entre a madrugada e a manhã desta quarta-feira (13). O tempo severo causou inúmeros pontos de alagamento na cidade, deixando ruas intransitáveis e invadindo residências. A chuva não cessou e se manteve intermitente ao longo de todo o dia.

No dia anterior, o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) já havia emitido alertas de chuva intensa para todo o Estado do Mato Grosso do Sul. Em poucas horas, o município registrou 187 mm de chuva, volume que supera a média esperada para o mês de janeiro inteiro, de 145 mm. Os bueiros e galerias da cidade não suportaram a quantidade de água.

[O volume de chuva foi] muito expressivo, extravasou galerias e inundou residências. As mais impactadas são as que ficam na rota da água ou abaixo do nível da rua.

Desde a noite de terça-feira (12), a Defesa Civil tem trabalhado especialmente com as famílias que vivem em locais mais suscetíveis a alagamentos. O Corpo de Bombeiros foi acionado para atender 50 chamadas, entre alagamentos e quedas de árvores. Os militares resgataram idosos, crianças e até cachorros.

A maioria das pessoas que ficou desabrigada ou desalojada encontrou alternativas, mas se precisarem de acolhimento, a prefeitura tem os pontos de abrigo prontos”, disse o coordenador da Defesa Civil do município, Isaque do Nascimento, ao portal Midiamax.

As equipes de infraestrutura passaram o dia fazendo desobstrução de vias, limpeza, retirada de árvores caídas e outros estragos, além de percorrer casas dos bairros mais atingidos para oferecer assistência.

Ao total, 140 famílias ficaram desabrigadas e foram levadas para o ginásio poliesportivo da cidade, onde um abrigo emergencial foi montado. O município está providenciando assistência com lonas, colchões e cestas básicas. Algumas famílias também serão abrigadas numa casa de acolhimento.

Um decreto deve ser publicado nesta quinta-feira (14) para flexibilizar a aquisição desses materiais, oficializando o estado de emergência do município. Existe a possibilidade da prefeitura acionar também o governo estadual ou federal para requisitar auxílios emergenciais.

Os alagamentos atingiram principalmente os bairros Cristo Redentor, Popular Velha, Aeroporto, Maria Leite e Cravo Vermelho. A chuva foi causada pelas condições de umidade e temperatura alta, associadas também a um movimento de divergência em níveis altos da atmosfera (um anticiclone) que auxilia na formação de tempestades.

Os meteorologistas alertam para a possibilidade de mais tempestades ao longo da semana no Mato Grosso do Sul. Confira a previsão completa para sua cidade clicando aqui.