Austrália: depois dos incêndios, tempestades de poeira e muito granizo

Os dias de calor sufocante, secura e incêndios deram lugar para dias escuros e de tempestades severas no leste da Austrália. Nuvens gigantes de poeira e granizos do tamanho de bolas de beisebol foram registradas entre domingo (19) e segunda-feira (20).

Paola Bueno Paola Bueno 21 Jan. 2020 - 12:21 UTC
Australia, granizo, tempestade, sandstorm
Grandes tempestades de poeira e enormes tempestades de granizo atingiram regiões antes afetadas pelos vorazes incêndios no leste da Austrália. Crédito das imagens: AFP e Getty Images.

Uma virada brusca do tempo assolou a Austrália nos últimos dias, nesse que será o verão mais extremo da história do país. O leste do país enfrentou nesses últimos três dias chuvas fortes, inundações repentinas, enormes tempestades de areia e chuva de granizos enormes, após enfrentarem o pior período de seca e incêndios já registrado!

Entre domingo (19/01) e segunda-feira (20/01) as grandes cidades australianas de Sydney, Melbourne e a capital Camberra foram atingidas por tempestades carregadas com grandes pedras de granizo do tamanho de bolas de beisebol, que destruíram veículos, telhados, feriram pássaros e deixaram os gramados cobertos de bolas de gelo. Em algumas localidades, cerca de 25 mm de chuva caíram em apenas 30 minutos e as rajadas de ventos superam os 100 km/h, resultando em inundações repentinas e deixando milhares de pessoas sem energia.

Menos de 24 horas antes das tempestades de granizo, o sudeste da Austrália foi atingido por imensas tempestades de poeira. Na tarde de domingo enormes paredes de poeira varreram a zona rural do estado de Nova Gales do Sul, cobrindo cidades e bloqueando completamente a luz do sol. As tempestades atingiram primeiramente a cidade de Narromine, no centro do estado, antes de se mover para leste, para a cidade de Dubbo, e depois para o sul, para a cidade de Parkes.

Moradores relataram que o céu ficou laranja a medida que a tempestade avançava e apenas alguns minutos depois ficou completamente escuro. As tempestades provavelmente foram provocadas pelas rajadas de ventos de 100 km/h que ocorreram na região. Como o estado tem enfrentado uma grave secas e incêndios, a terra está muito seca, com muita poeira e cinzas sobre sua superfície, dessa forma o vento tem capacidade de suspender e carregar uma grande quantidade de poeira por vários quilômetros.

A chuva, que começou no meio da semana passada, a princípio veio como um grande alívio, após o ano mais quente e seco já registrado, porém resultou em inundações repentinas. No estado de Queensland, em apenas 3 dias foi registrado o acumulado de chuva esperado para um mês inteiro! Em Nova Gales do Sul, moradores relataram que as fortes chuvas que caíram nos locais que haviam sido queimados carregaram cinzas e lama paras os rios, causando a morte de centenas de milhares de peixes.

Apesar da chuva ter caído na maioria dos focos de incêndios do sudeste do país, ajudando os bombeiros a aliviar a situação, dezenas de incêndios ainda estão queimando, alguns ainda fora de controle, em Nova Gales do Sul e Victoria.

O que esperar para as próximas semanas?

As chuvas que caíram até o momento ainda não foram o suficiente para acabar completamente com os incêndios e umedecer o solo. Dessa forma, o solo deve continuar seco e a medida que novas tempestades se formarem, com a passagem de sistemas frontais, novas tempestades de poeira poderão ocorrer.

Sem o Dipolo do Oceano Indico e a intensa fase negativa da Oscilação Antártica, que estava sendo modulada pelo Aquecimento Estratosférico sobre a Antártica, o regime de chuvas sobre a Austrália deverá tender a neutralidade nos próximos meses. Talvez o oeste do país tenha um acumulado ligeiramente acima da média enquanto o leste ainda tenha precipitação ligeiramente abaixo da média, devido a condições meteorológicas locais.

Publicidade