tempo.com

Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo em alerta para chuvas de até 300 mm

A última semana de setembro será extremamente chuvosa no centro-sul do Brasil. No entanto, as próximas 72 horas serão as mais intensas com destaques para os estados do Mato Grosso do Sul, do Paraná e de São Paulo. O nosso modelo de confiança prevê acumulados muito acima dos 200 mm!

alerta de tempo severo, chuvas intensas
Chuvas extremamente volumosas deixam em alerta os estados do Paraná, do Mato Grosso do Sul e de São Paulo. Os volumes podem passar dos 200 mm.

A primavera começou com tudo, com chuvas e temporais com granizo ocorrendo nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, além de pancadas nas regiões Norte e Nordeste. Pode-se dizer que o período úmido começou e as chuvas gradativamente vão se tornar mais abrangentes no centro-norte do país e na Região Sudeste.

O mesmo padrão mais úmido e com potencial de eventos intensos se mantém na última semana de setembro, com o modelo de confiança da Meteored, o ECMWF, prevendo nas próximas 72 horas acumulados passando facilmente dos 200 mm no centro-sul do país, deixando em alerta os estados do Mato Grosso do Sul, do Paraná e de São Paulo.

Alerta de chuvas intensas, elevado acumulado e potencial para transtornos

No último domingo (25), as chuvas retornaram para os estados de Santa Catarina, do Paraná, do Mato Grosso do Sul e de São Paulo, sendo mais abrangentes na Região Sul, onde a precipitação passou a ocorrer de moderada a forte intensidade a partir do fim do dia.

Chuvas muito intensas com potencial tempestivo, que podem ocorrer com granizo, deixam em alerta os estados do Mato Grosso do Sul, do Paraná e de São Paulo.

Essa condição se manteve ao longo desta madrugada de segunda-feira (26), com chuvas mais intensas ocorrendo no oeste-sudoeste e noroeste do Paraná e no sul do Mato Grosso do Sul. No decorrer desta manhã, as chuvas intensas e temporais ganham intensidade e deixam em alerta todo o estado do Paraná, o centro-sul e o oeste de São Paulo e do Mato Grosso do Sul.

Entre o fim da manhã e o período da tarde, as instabilidades já se espalham mais por todo o território paulista e mato-grossense-do-sul, provocando temporais e chuvas de forte intensidade. No Paraná, chuvas de moderada à forte intensidade se mantêm sobre o norte, centro, oeste e noroeste do estado.

Os acumulados no período de 72 horas, de segunda-feira até a quarta-feira, podem passar facilmente dos 200 mm. O modelo ECMWF prevê acumulados próximos dos 300 mm.

No restante do dia, as chuvas se tornam mais isoladas, mas ainda ocorrem com forte intensidade sobre o estado de São Paulo, o Mato Grosso do Sul e extremo norte do Paraná. No período da noite, a precipitação diminui mais ainda e se concentra mais no sul, leste e norte paulista e porção central do Mato Grosso do Sul.

Na terça-feira (27), novas instabilidades se formam e há mais potencial para eventos intensos de precipitação sobre o Paraná, o Mato Grosso do Sul e o estado de São Paulo. Pela manhã, as chuvas intensas atingem o centro-sul e oeste do Mato Grosso do Sul, todo o norte, leste e oeste do Paraná, o sul, faixa leste paulista e regiões próximas à divisa com o território paranaense.

A partir do início da manhã, as instabilidades atingem a metade norte do Paraná, todo o Mato Grosso do Sul e o estado de São Paulo. Há potencial para eventos muito intensos de precipitação e elevado potencial de transtornos como alagamentos e inundações. No período da noite, as chuvas reduzem no Paraná e em São Paulo, mas se mantêm no Mato Grosso do Sul.

As chuvas intensas e persistentes trazem elevado potencial para transtornos como alagamentos, inundações e deslizamentos da terra.

Na quarta-feira (28), sem trégua com o tempo instável. Chuvas muito intensas e temporais atingem já pela manhã todo o estado do Paraná, o Mato Grosso do Sul, o sul e oeste de São Paulo.

O cenário dos dias anteriores se repete com espalhamento das chuvas intensas pelo estado de São Paulo e manutenção no Paraná e Mato Grosso do Sul nas horas seguintes. Essa condição se mantém no período da noite. Há elevado potencial para transtornos como alagamentos, inundações e deslizamentos.