Como será a segunda quinzena de Julho?

O mês e Julho até o momento representou o início do inverno de fato, com a chegada do frio de forma intensa. No entanto, a distribuição das chuvas não condiz com a estação. O que está acontecendo e o que esperar para as próximas semanas?

Tiago Robles Tiago Robles 15 Jul. 2019 - 12:26 UTC
Julho se manterá com temperaturas de inverno, porém as chuvas vão ficar abaixo do esperado no Sul, mesmo com a previsão de uma forte frente fria.

Já vem sendo comentado, em previsões climáticas passadas, que o fenômeno El Niño, apesar de presente, não está influenciando as condições meteorológicas no Brasil. Basta observar a distribuição das chuvas nos meses anteriores, com um Maio de anomalias positivas em boa parte do Brasil, sendo que no Sul, as chuvas mais volumosas durante a última semana. Já o mês de Junho foi extremamente seco, com atuação de um bloqueio atmosférico no inicio do mês. Portanto, não se observa um cenário de El Niño.

Mas o que está acontecendo de fato? Como, também, já foi discutido em artigos anteriores, a Oscilação Antártica (AAO) e o Oceano Atlântico Sul mais aquecido, são os fatores que vem influenciando o clima no Brasil, principalmente a AAO. Basta observar os momentos de tendência negativa e positiva, que favoreceram o aumento das chuvas e do frio, e o tempo mais seco e quente, respectivamente.

Assim, a previsibilidade diminui bastante, sendo de no máximo um mês, justamente pela ausência de resposta da atmosfera ao fenômeno El Niño e da AAO possuir previsão de 15 dias com 7 dias de confiança. Sendo assim, seguimos com a previsão.

Previsão para a segunda quinzena de Julho

O modelo CFSv2 mostra para esta semana anomalias negativas no Centro-Sul do país, passando a idéia de que a massa de ar seco e frio, que está no Rio Grande do Sul, irá se manter ao longo da semana. Ao mesmo tempo em que os ventos de leste continuam a transportar umidade do oceano para o leste do Nordeste e para o estado do Espírito Santo.

Já para a última semana do mês é possível notar a influência ainda do sinal negativo da AAO, com a atuação de um sistema frontal forte, que pode provocar chuvas volumosas no Rio Grande do Sul a partir do próximo fim de semana. Pode-se esperar, também, a chegada de uma massa de ar polar intensa, que irá derrubar as temperaturas e trazer um episódio semelhante do início do mês, porém não avançando muito para o Sudeste, se restringindo mais a Região Sul.

Analisando a tendência positiva da AAO para esta semana, o início de Agosto será mais seco e quente, podendo até haver a configuração de um bloqueio atmosférico e um cenário semelhante ao observado no início de Julho.

Publicidade