tempo.com

NASA estudará duas "Superterras" com o Telescópio Espacial James Webb

Convidamos a conhecer a abordagem científica desta nova investigação e algumas das características que foram obtidas das "Superterras" que vivem a cinquenta anos-luz do nosso lar.

Exoplaneta, telescópio, satélite
Com esta investigação, a NASA procura respostas para saber a origem e evolução dos exoplanetas rochosos no Universo.

O que é o Telescópio Espacial James Webb? É o principal observatório de ciência espacial que existe no nosso planeta. A missão do James Webb é fornecer apoio, como ferramenta, para a resolução dos mistérios do Sistema Solar.

As observações do James Webb são lideradas pela Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (NASA) dos Estados Unidos, mas tem dois sócios. Por um lado, a Agência Espacial Europeia (ESA) e, na América, a Agência Espacial Canadiana (CSA).

Entre as investigações programadas para James Webb está o estudo de dois exoplanetas classificados como "Superterras". Este nome está relacionado com o seu tamanho e composição. Mas como se chamam estas "Superterras"? A primeira, coberta de lava, foi denominada "55 Cancri e", e a segunda, sem ar, foi batizada de "LHS 3844 b".

Vamos conhecer a "55 Cancri e"

Com temperaturas de superfície bem acima do ponto de fusão dos minerais típicos que formam as rochas, pensa-se que o lado diurno do planeta está coberto por oceanos de lava. Vale a pena mencionar que, os planetas que orbitam tão perto da sua estrela (como o Sol) estão bloqueados, com um lado virado para a estrela em todos os momentos. Como consequência, o ponto mais quente do planeta deveria ser o que está mais voltado para a estrela.

No entanto, para "55 Cancri e" este não é o caso. As observações realizadas pelo Telescópio Espacial Spitzer da NASA sugerem que a região "mais quente" está deslocada da parte diretamente virada para a estrela. Entretanto, a quantidade total de calor no lado diurno varia.

Terra, Neptuno, exoplanetas
Ilustração que compara o tamanho da Terra e Neptuno com os exoplanetas "55 Cancri e" e "LHS 3844 b". Fonte: NASA, ESA, CSA.

Considerando as análises da NASA, uma explicação para estas observações é que o exoplaneta tem uma atmosfera dinâmica que move o calor. Ou seja, "55 Cancri e" poderá estar coberto por uma atmosfera densa, dominada por oxigênio ou azoto.

Outra explicação seria que esta "Superterra" não está bloqueada por marés. Ao invés, poderia ser como o planeta Mercúrio, rodando três vezes para cada duas órbitas. Como resultado, "55 Cancri e" teria um ciclo dia-noite.

Ligeiramente mais fresco no "LHS 3844 b"

Esta "Superterra" proporciona uma oportunidade única para analisar rochas sólidas na superfície de um exoplaneta. Tal como "55 Cancri e", "LHS 3844 b" orbita extremamente perto da sua estrela, completando uma revolução em 11 horas. No entanto, como a sua estrela é mais pequena e fria, este exoplaneta não apresenta temperatura suficiente para que a sua superfície derreta.

Além disso, as observações indicam que é pouco provável que o LHS 3844 b tenha uma atmosfera substancial. Ainda não foram obtidas imagens da sua superfície, mas a falta de atmosfera torna possível o estudo desta variável com espectroscopia.

De que se trata isso? Os diferentes tipos de rochas têm os seus próprios espectros. Por exemplo, a cor do granito é mais clara que o basalto. Portanto, existem diferenças semelhantes na luz infravermelha emitida pelas rochas.