tempo.com

De 0 a 52, quão azul está o céu hoje?

Embora muitos não saibam, existe um instrumento meteorológico chamado cianômetro que é usado para identificar o tom celeste no céu. De acordo com este artefato, pode haver até 53 tons diferentes de azul.

cianômetro, céu, meteorologia
O cianômetro é levantado em direção ao céu e as cores são comparadas para determinar a tonalidade.

Um cianômetro é um instrumento criado por volta do ano de 1790 pelo pai do montanhismo, Horace Bénédict de Saussure, que era usado para medir a intensidade da cor do céu azul. O dispositivo consiste na exibição de quadrados de papel tingidos em tons graduados de azul e dispostos em um círculo colorido que pode ser comparado com a cor do céu.

Ao todo, Saussure tingiu 53 tiras de papel. O círculo começa com a cor branca, à qual corresponde o número 0, e termina com a cor preta, à qual é atribuído o número 52. Os outros 51 pedaços de papel são coloridos com azuis e azuis cada vez mais profundos.

A ideia de registrar as tonalidades do céu lhe ocorreu em uma de suas viagens subindo o Mont Blanc. Ele, assim como outros alpinistas, notou que, à medida que subiam mais alto, o céu ficava de um azul mais escuro. Havia até uma lenda nos Alpes que dizia que se você fosse alto o suficiente na atmosfera, o céu ficaria completamente preto, o que faria qualquer um que ousasse entrar naqueles domínios cair no vazio. Esses temores fizeram com que durante muito tempo ninguém fosse encorajado a escalar mais do que o necessário pelas montanhas.

Saussure não só conseguiu mostrar que era verdade que o céu escurecia à medida que se subia. Ele também estava convencido de que a cor do céu era um efeito óptico e argumentou que, como o azul se desvanecia sutilmente no branco das nuvens, a cor deve ser um indicador do teor de umidade do ar. Assim, o alpinista também construiu um dispositivo que era um indicador do teor de vapor de água da atmosfera.

Saussure usou seu cianômetro pelo resto de sua vida, e sabe-se que o azul mais profundo que ele registrou foi visto do topo do Montblanc, que media 39 graus de azul na escala do precioso dispositivo. Anos depois, Alexander von Humboldt, outro usuário assíduo do cianômetro, registrou um céu de 46 graus de azul, do alto do vulcão Chimborazo, nos Andes.

Mas as muitas medições feitas com sua ferramenta renderam poucas informações, e o cianômetro caiu em desuso como ferramenta científica. Quando a verdadeira causa do azul do céu, a dispersão da luz, foi descoberta décadas depois, na década de 1860, o círculo azul de Saussure já havia caído na obscuridade.

E você, que azul está vendo hoje?