tempo.com

Antártica já vivenciou incêndios e teve sua própria floresta

Há milhões de anos, o continente mais frio da Terra era um lugar muito diferente, com áreas de floresta e até mesmo que sofreram incêndios florestais. Poderia retornar a este estado no futuro?

Floresta Antártica
A impressão de um artista sobre a aparência da floresta tropical da Antártica. Imagem via James McKay / Alfred Wegener Institute

A Antártica como a conhecemos hoje é um dos ambientes mais hostis da Terra, famoso por experimentar a temperatura mais fria já registrada no nível do solo - um frio de -89,2°C. Mas nem sempre foi assim, e um estudo recente encontrou evidências de que partes do continente já sofreram incêndios florestais.

Publicado na revista Polar Research e liderado por uma equipe de pesquisadores do Brasil, o estudo encontrou pedaços de carvão vegetal na Ilha James Ross, perto do extremo norte do continente, várias centenas de quilômetros ao sul da América do Sul.

Os pedaços de carvão datavam de cerca de 75 milhões de anos atrás, fornecendo a primeira evidência de incêndios florestais na Antártica.

Esta descoberta única baseia-se na pesquisa anterior publicado na Nature no início deste ano, que encontrou fósseis indicando que a Antártica já foi coberta por faixas de floresta tropical.

Uma floresta tropical no Pólo Sul

Usando uma plataforma de perfuração portátil, os pesquisadores do estudo Nature obtiveram amostras de núcleo perto da geleira de Pine Island, no oeste da Antártica. Dentro dessas amostras, encontraram solo de floresta de 90 milhões de anos contendo pólen de plantas fossilizadas e esporos, bem como uma densa rede de raízes, identificada por tomografia computadorizada de raios-X.

Essas descobertas são a prova de que as temperaturas e os níveis de dióxido de carbono durante o período Cretáceo foram muito mais altos do que se pensava anteriormente.

Entre 92 e 83 milhões de anos atrás, os pesquisadores acreditam que a temperatura média anual na Antártica estaria em torno de 12-13°C, quente o suficiente para suportar vastas florestas temperadas.

Incêndios florestais antárticos

Neste clima quente e úmido da Antártica, os incêndios florestais também eram uma característica. Os pedaços de carvão identificados no estudo da Pesquisa Polar continham material consistente com o fato de pertencerem a gimnospermas - um grupo de plantas incluindo coníferas e cicadáceas. Essas plantas teriam sido abundantes na Antártica durante o período Cretáceo e teriam fornecido combustível adequado para incêndios florestais.

Esses incêndios provavelmente foram provocados por atividade vulcânica, segundo os pesquisadores, que era intensa na Antártica na época.

Antartica
A vista para a Ilha James Ross na Antártica, onde o carvão foi encontrado.

Juntos, esses artigos científicos pintam uma imagem muito diferente do continente mais ao sul daquele que passamos a reconhecer. Em vez de ser a região selvagem polar e gelada que é hoje, já foi repleta de vida, tanto floral quanto faunística.

Estima-se que a atmosfera da Terra teria exigido níveis de dióxido de carbono (CO2) de cerca de 1.100 partes por milhão para que as florestas e incêndios florestais ocorressem na Antártica.

Embora os níveis atuais de CO2 sejam muito mais baixos do que isso (cerca de 414 partes por milhão), se aumentassem acima de 1.000, poderíamos muito provavelmente ver a região selvagem gelada da Antártica substituída por vegetação mais uma vez.