tempo.com

Microplásticos contaminam solos e oceanos

Atualmente, a poluição ambiental está ligada às condições adversas sanitárias, seja como um gatilho ou favorecendo a manutenção. Um exemplo é a nova contingência ecológica que a COVID-19 está deixando, ao jogar máscaras e outros resíduos sanitários no meio ambiente.

Depósito de lixo
Inúmeros microplásticos são liberados de aterros sanitários, atingindo o meio ambiente de diversas formas.

O problema da poluição do plástico está ficando cada vez maior, prejudicando e adoecendo milhões de espécies de todos os tipos em nosso planeta, incluindo humanos. Principalmente as atividades industriais e privadas liberam microplásticos no meio ambiente, onde impactam negativamente os ecossistemas.

A venda monumental de produtos contendo plástico parece não ter fim. Passamos da utilização de vasilhames de vidro em bebidas e alimentos, ao uso de plásticos em muitos casos de uso único (poliestireno expandido), isso naturalmente contamina o meio ambiente e nosso corpo, devido ao mau manejo e à má qualidade.

A grande maioria dos itens de plástico se decompõe em microplásticos, que são despejados em nossos cursos de água e terras agrícolas. Microplásticos são comumente definidos como partículas sólidas de fibras plásticas ou sintéticas entre 1 e 5000 mícrons de tamanho.

Uma nova pesquisa descobriu que dada a quantidade exorbitante de microplásticos encontrados em muitos ecossistemas, estão sendo ingeridos como alimento por muitas espécies, terrestres e marinhas.

Envenenando a superfície da Terra

A poluição microplástica é mais conhecida como poluente em oceanos, lagos e rios. Mas os microplásticos também têm impacto na terra: podem quebrar a estrutura do solo e prejudicar as criaturas que ali vivem, por exemplo, quando ingeridos por minhocas.

Os microplásticos no solo também podem ser transportados de campos agrícolas para rios, lagos e oceano por meio da erosão e escoamento superficial.

Descobertas científicas determinaram que, tanto na água quanto no solo, os microplásticos podem ter vidas extremamente longas. No solo, as partículas de plástico podem durar até cem anos ou mais, dependendo das características das partículas de plástico e das condições ambientais do solo.

Grande desafio é determinar o conteúdo de microplásticos no solo

A dificuldade reside no fato de as características químicas e físicas das partículas microplásticas serem semelhantes às da matéria orgânica, o que torna muito difícil a separação dos plásticos do solo. Com um pequeno número de amostras disponíveis, não é possível obter informações regionais sobre emissões ou poluição.

Por outro lado, pesquisas utilizaram modelos regionais para construir uma imagem da situação ambiental em escala regional. Isso ajuda a identificar os pontos de contaminação.

Os resultados regionais também podem ser incorporados a outros modelos de simulação, que, por exemplo, simulam o transporte de microplásticos através de sistemas fluviais até o mar. Essa abordagem já é usada para outros problemas de poluição ambiental, incluindo emissões de nitrogênio e fósforo.

Vias de contaminação do solo

Particularmente em solos agrícolas, eles vêm de filmes plásticos usados na produção agrícola, por exemplo, o plástico mulch é aplicado em diferentes sistemas de produção de vegetais para proteger os frutos, manter a temperatura e a umidade do solo e evitar a erosão.

Também temos a entrada de microplásticos, oriundos de fibras têxteis de roupas ou microesferas de produtos de limpeza e cosméticos, que entram no solo por meio de águas residuais. Isso significa que altas concentrações são encontradas perto de regiões com densidade populacional significativa.

Novas políticas ambientais precisam ser adotadas para resolver o problema. Até então, os agricultores enfrentarão o conflito de reciclar biorresíduos como fertilizantes em prol da economia circular, enquanto poluem seus campos com substâncias desconhecidas.