tempo.com

Se os romanos tivessem lançado um satélite, cairia nos dias atuais!

Os satélites artificiais podem aguentar muitos anos em órbita, mas dependerá da sua altitude os os anos que conseguem resistir. Quanto mais elevados estiverem, mais tempo poderão viver no espaço antes de se desintegrarem.

Satélite artificial
A cada ano acumulam-se mais toneladas no espaço devido aos satélites artificiais.

O problema do lixo espacial está em cima da mesa há algum tempo. Especialmente desde que Elon Musk pôs em funcionamento a sua rede de satélites Starlink que vai dar cobertura de internet a todo o planeta. Em cada lançamento são colocados em órbita 60 deles. O projeto pretende que o enxame seja de até 12.000 satélites. Apesar de se tratar de um marco tecnológico, não deixa de ser uma autêntica barbaridade o que se pretende pôr em órbita.

Devemos recordar que o espaço é um Património da Humanidade. Estou consciente de que é necessário, para que a tecnologia na Terra funcione corretamente, ter uma grande rede de satélites, tanto para comunicações como para geolocalização. Mas como amante do céu noturno e da astronomia, este é para mim um grande dilema moral.

Não é só o espaço que está cheio de satélites em funcionamento. Muitos deixaram de ser úteis e estão a atingir velocidades vertiginosas a milhares de quilómetros de altitude. Alguns irão perder altitude e acabarão caindo na Terra, provavelmente desintegrando-se à medida que atravessam a atmosfera. Outros permanecerão lá durante centenas ou milhares de anos se a humanidade não tomar medidas. Quanto tempo pode um satélite abandonado permanecer em órbita?

Quanto tempo resistem em altitude

Os satélites geoestacionários, aqueles que estão sempre sobre o mesmo ponto do planeta, estão a uma altitude de 36.000 km. São os mais elevados. Apenas afetados pela atmosfera, que consideramos ter uma espessura de 10.000 km, não sofrem fricção e podem lá permanecer indefinidamente, a menos que sejam empurrados manualmente para baixo.

Estrela cadente
O lixo espacial desintegra-se como se fosse uma estrela cadente.

Os satélites que estão a uma altitude de cerca de 1200 km já são afetados pela atmosfera. Isto significa que pouco a pouco, muito lentamente, podem perder altitude. Estima-se que se nada alterar a sua trajetória, estes satélites podem demorar até 2000 anos a perder essa órbita e a desintegrar-se na atmosfera. De acordo com a ESA, se o Império Romano tivesse lançado um satélite para órbita, cairia mais ou menos ao dia de hoje.

Os satélites em órbitas mais baixas também têm uma vida útil surpreendentemente longa. Os que estão a cerca de 800 km demoram entre 100 e 150 anos a reentrar na atmosfera. Os que estão a 500 km fazem-no em menos de 25 anos.

A atmosfera, capaz de destruir quase tudo

Como os satélites podem permanecer no espaço quase indefinidamente quando a sua vida útil expira, os responsáveis por eles devem tomar medidas para os fazer perder altitude e desintegrar-se. Muitos não o fazem na sua totalidade, mas felizmente a superfície do planeta é de 71% de água, pelo que poucos costumam chegar a terra. Acabam por ir parar no oceano.

Como é possível que a atmosfera, que é apenas ar, consiga lidar com tantas toneladas de lixo? Façamos um teste. Numa bicicleta, se colocarmos a palma da nossa mão virada para a direção da viagem, sentiremos ligeiramente a passagem de ar. Se baixarmos a janela do carro a cerca de 120 km/h, será difícil manter a nossa mão assim. Irá mesmo doer. Bem, imagine a mais de 10.000 km/h. A mão desapareceria. O atrito sofrido pelos satélites é suficiente para causar combustão, o que acaba por desintegrá-los.