O mínimo de gelo marinho do Ártico é o segundo menor já registrado

O gelo marinho do Ártico - um indicador chave da mudança climática - atingiu sua extensão mínima anual após a estação de degelo do verão. Foi a segunda menor extensão apenas depois do recorde de baixa observada em 2012.

Cobertura de gelo no Ártico
Concentração de gelo no mar do Ártico, 15 de setembro de 2020.

O Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo dos EUA anunciou que, em 15 de setembro, a extensão do gelo marinho era de 3,74 milhões de quilômetros quadrados. O Instituto Alfred Wegener confirmou essa leitura, com dados da Universidade de Bremen dizendo que eram 3,8 milhões de quilômetros quadrados. Outras agências espaciais e provedores de dados, por exemplo EUMETSAT Ocean and Sea Ice Satellite Application Facility e a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão concordam a segunda menor extensão de gelo marinho foi alcançada este ano.

Os dados deste ano de 2020 ainda são preliminares, porque o aumento repentino do calor do verão no final da temporada ainda pode diminuir a extensão da área do gelo. Existem várias causas para a perda massiva de gelo neste verão. Isso inclui temperaturas extremamente altas do ar e da água. Uma onda de calor recorde e incêndios florestais sem precedentes na Sibéria foram os principais fatores contribuintes durante o verão do hemisfério norte, que deixará uma ferida profunda na criosfera, com grandes impactos nas plataformas de gelo e geleiras do hemisfério norte. Os últimos 14 anos (2007 a 2020) têm as 14 extensões mínimas mais baixas do registro de satélite de 42 anos.

O ano de 2020 será um ponto de exclamação na tendência de queda na extensão do gelo marinho do Ártico. Estamos caminhando para um Oceano Ártico sazonalmente livre de gelo, e este ano é mais um passo para que o Ártico seja mais oceano do que gelo desde meados de julho até outubro. As temperaturas no Ártico estão subindo mais de duas vezes mais rápido que a média global. Processos de amplificação e feedbacks únicos, como o rápido declínio do gelo marinho (devido a diminuição do albedo), contribuem significativamente para esse aquecimento. As consequências do aquecimento do Ártico serão de longo alcance em todo o hemisfério norte.

No novo estudo, Landrum e sua coautora, a cientista do NCAR Marika Holland, descobriram que o gelo do mar Ártico derreteu tão significativamente nas últimas décadas que mesmo um ano excepcionalmente frio não terá mais a quantidade de gelo do mar de verão que existia recentemente meados do século 20. As temperaturas do ar no outono e inverno também aquecerão o suficiente para entrar em um clima estatisticamente distinto em meados deste século, seguido por uma mudança sazonal na precipitação que resultará em meses adicionais nos quais a chuva cairá em vez de neve.

Entre os dados observados de longa data do gelo do mar Ártico, os valores de 2020 foram significativos porque não apenas pontuou um declínio de longo prazo, mas também porque caiu abaixo do limite de 4 milhões de quilômetros. Isso aconteceu apenas em 2012, quando a extensão mínima caiu para 3,39 milhões de quilômetros quadrados.

O momento exato em que o gelo marinho atinge seu mínimo absoluto depende das condições meteorológicas no Ártico e só pode ser determinado quando há evidências claras de que a extensão do gelo marinho começou a crescer novamente. Com base na experiência anterior, isso geralmente ocorre em meados de setembro, embora às vezes não antes da segunda metade do mês.