Tempestades e granizo no Sul e a confirmação de tornado em SC

A Defesa Civil de Santa Catarina confirmou na noite desta sexta-feira (14) que um tornado foi registrado no período da tarde na cidade de Água Doce, localizada na região Meio-Oeste do Estado. Mais de 700 residências foram danificadas ou destelhadas e pelo menos 11 pessoas ficaram feridas.

Tornado em Santa Catarina
Tempestade severa atingiu o estado de Santa Catarina. A Defesa Civil já confirmou a ocorrência de tornado na região. Os estragos se estenderam desde áreas rurais até áreas urbanas.

Durante a tarde da última sexta-feira (14), tempestades severas e tornados foram registrados no território catarinense. Ocorreu o registro de granizo, chuva forte e rajadas intensas de vento, principalmente nas regiões Extremo Oeste, Oeste e Meio Oeste. Os municípios mais afetados durante a tarde foram Vargem Bonita, Catanduvas, Água Doce, Tangará e Ibicaré, onde rajadas de vento que provocaram destelhamento e destruição de edificações.

O monitoramento meteorológico da Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) confirmou o registro de tornados nos municípios de Água Doce e Irineópolis, vale destacar que a distância entre as cidades é de 100 km. O deslocamento da supercélula, com características tornádicas, foi registrado pelo radar meteorológico Oeste entre às 15h30min e 15h35min sobre o município de Água Doce.

Informações preliminares apontam que em Água Doce 700 casas foram destelhadas e 25 totalmente destruídas, 700 pessoas foram desabrigadas e 25 desalojadas. No município 11 pessoas foram feridas, sendo duas de forma mais grave. Em Catanduvas 235 residências tiveram os telhados danificados e duas foram destruídas. No município de Ibicaré foram registrados danos em três comunidades de interior, duas igrejas e dois pavilhões.

Em Tangará ocorreram destelhamentos em todos os bairros, estima-se que 90% das casas e empresas foram atingidas, e cinco pessoas ficaram feridas. A Defesa Civil municipal informou que 100 pessoas estão desabrigadas e 20 desalojadas. Já em Vargem Bonita os primeiros números apontam 1300 casas com os telhados danificados, 30 pessoas estão desabrigadas e 20 desalojadas. Os levantamentos ainda estão sendo realizados e informações mais concretas serão divulgadas na manhã de sábado.

Alertas emitidos

Desde o início desta semana o monitoramento da DCSC vem divulgando informações sobre a mudança nas condições de tempo. Já na última terça-feira (11) foi emitido um boletim de tempo adverso indicando condições de tempo instável no decorrer da semana. Nos dias seguintes a previsão foi atualizada e diariamente foram emitidos Avisos Meteorológicos nos níveis de Observação e Atenção para temporais, com rajadas fortes de vento e risco para granizo.

Apenas nesta sexta-feira (14), até as 20 horas, foram divulgados 16 alertas de curtíssimo prazo, elaborados com base nas imagens de radar e do satélite GOES 16. Dentre as mensagens, para a população e divulgadas no site e redes sociais da DCSC, foram emitidos oito observações, sete atenções e um alerta.

Para receber os alertas da DCSC basta encaminhar uma mensagem de texto SMS para o número 40199, contendo no texto apenas o Código de endereçamento postal do local que deseja receber as informações.

Chuvas no Sul

Nos últimos dias, um sistema frontal atual no sul do Brasil provocando chuvas, ventanias, trovoadas e precipitação de granizo. Os resquícios deste sistema frontal se desprenderam do ciclone extratropical associado e formaram uma zona de baixa pressão que na sexta-feira (14) provocou uma ciclogênese (nascimento de um ciclone).

A chuva deve persistir neste sábado (15) em áreas do norte ao litoral norte do RS e do oeste ao sul e leste de SC. Entre o domingo e a segunda-feira (17) a atmosfera estará bastante baroclínica em 500 hPa com a presença de cavados de onda curta e da passagem de uma frente fria pelo oceano à leste do RS, que irão instabilizar o tempo entre SC e o PR e do oeste ao leste de MS, e do oeste ao litoral sul de SP (principalmente no dia 17/08) trazendo condições para chuva forte e risco de temporais isolados.

Ao mesmo tempo, no dia 16 estará se estabelecendo uma alta pressão continental pela Argentina, que trará declínio de temperatura desde o norte da Argentina e Paraguai ao sul do Brasil e Uruguai. Com condições para formação de geada no RS no dia 17 e no dia 18 e em SC no dia 18. Além da queda das temperaturas máximas.