tempo.com

Como o coronavírus está influenciando na qualidade do ar na China?

O coronavírus segue “dando o que falar”. Ainda não se sabe até quando durará a quarentena de quase vinte cidades chinesas, porém já são conhecidos alguns dados sobre seu impacto na qualidade do ar. Aqui contaremos quais são.

coronavírus e qualidade do ar
As medidas tomadas pelo coronavírus melhoraram a qualidade do ar na China.

No dia 7 de janeiro deste ano, as autoridades chinesas confirmaram que haviam identificado um novo coronavírus. Desde então, elas vêm divulgando notícias relacionadas a este vírus, o qual se espalhou pelo mundo e deixou quase 600 mortos, mais de 27.000 afetados e cerca de vinte cidades chinesas em quarentena.

Um vírus que, no entanto, tem outro “lado”: melhorou a qualidade do ar na China. Mas como? Bem, uma das medidas mais drásticas adotada pelas autoridades chinesas foi a que teve maior influência: a quarentena. O fato de cerca de 50 milhões de pessoas (número quase equivalente à população espanhola) não poderem deixar suas cidades nem poderem viajar por terra, mar ou ar, teve muito a ver com os níveis de dióxido de nitrogênio (NO2) na atmosfera. Além disso, o surgimento deste vírus coincidiu com as comemorações do Ano Novo Chinês, um período de férias que também influenciou positivamente na qualidade do ar do país asiático.

Analisando os dados

Na última semana, as redes sociais repercutiram imagens capturadas por um instrumento de monitoramento atmosférico, o TROPOMI (Tropospheric Monitoring Instrument), a bordo do satélite de observação terrestre Sentinel-5 Precursor. Este espectrômetro é capaz de monitorar gases presentes na atmosfera, como ozônio, metano, monóxido de carbono, dióxido de nitrogênio ou dióxido de enxofre.

As imagens de satélite mostram concentrações muito baixas de NO2 em 30 de janeiro deste ano em relação à média de janeiro de 2019, um gás poluente emitido principalmente pela atividade industrial e pelo tráfego. Esta é uma clara diferença que pode ser detectada especialmente em Wuhan, a cidade de origem da epidemia e que está em quarentena desde o dia 23 de janeiro. No entanto, tal situação pode ser estendida para o resto do país asiático.

A melhora na qualidade do ar na China tem sido evidente nas últimas semanas devido às medidas tomadas para conter o coronavírus. Uma baixa concentração (de NO2) que não pôde ser explicada considerando apenas fatores meteorológicos.

E agora?

A maior operação de saúde da história ainda está em andamento e ainda há muitas pessoas que não podem deixar suas casas. As medidas drásticas se estendem por várias cidades na China, de tal forma que, em algumas delas, como Huanggang, a segunda cidade mais afetada pelo vírus, apenas uma pessoa por família pode sair de casa a cada dois dias para buscar mantimentos. Os guardas medem a temperatura dos cidadãos, verificam a sua identidade e o motivo pelo qual saíram de casa. Uma medida que também se estende às cidades próximas e que se intensificou desde a semana passada.

Para a maioria dos chineses, as festas de Ano Novo já terminaram, embora alguns ainda possam aproveitá-las até dia 8 de fevereiro. Enquanto estas medidas rígidas permanecerem em vigor, o ar que o país asiático respira será, paradoxalmente, mais limpo do que o normal. Não esquecendo que a China é o maior poluidor do mundo, respondendo por cerca de 30% das emissões atmosféricas globais.