A onda de calor que atinge a Austrália

Além do Brasil, a Austrália também tem sofrido com as altas temperaturas nesse verão. Enquanto aqui os termômetros estão beirando os 40°C, lá eles estão muito próximos dos 50°C!

Paola Bueno Paola Bueno 17 Jan. 2019 - 18:47 UTC
Toda Austrália tem sofrido com o calor excessivo, mas principalmente o sudeste do país, inclusive a cidade de Sydney.

Não é só o Brasil que está enfrentando uma intensa onda de calor no início de 2019, do outro lado do mundo, na Austrália, os termômetros também têm registrados temperaturas muito altas. Enquanto aqui no Brasil os termômetros estão próximos da marca dos 40°C, na Austrália os termômetros estão chegando aos 50°C!

Nos últimos dias a Austrália tem enfrentado uma onda de calor que pode ser a mais intensa desde 2011! De acordo com a agência meteorológica australiana, a Bureau of Meteorology, em um tweet publicado no dia 15/01, os últimos 4 dias entraram no top 10 dos dias mais quentes da história meteorológica da Austrália. Diversas localidades, em todos os estados do país, registraram temperaturas superiores a 40°C nos últimos dias. Nessa terça-feira (15/01) a cidade de Port Augusta, no sul do país, registrou a impressionante temperatura de 48.9°C, a maior desde o inicio dos registros em 1962. A cidade de Tarcoola, também no sul, atingiu a temperatura de 49°C!

Não só as temperaturas máximas bateram recordes, as temperaturas mínimas também foram as mais altas de todos os tempos, tornando as noites excepcionalmente quentes. Meekatharra, no meio oeste da Austrália, Fowlers Gap e White Cliffs, em Nova Gales do Sul, registraram uma temperatura mínima de 33°C na segunda-feira!

Essa é a segunda onda de calor em menos de um mês a atingir o país! Depois do Natal, uma onda de calor fez com que os termômetros também beirassem a marca dos 50°C, ocasionando em alertas extremos para incêndios florestais e condições de seca em diversos locais. O mês de janeiro costuma ser o mais quente do ano no país, porém, a cada ano as temperaturas nesse mês tem superado recordes, acendendo o alerta de mudanças climáticas na região.

Além das altas temperaturas, a alta concentração de ozônio também tem preocupado as autoridades locais. As temperaturas elevadas acabaram contribuindo para o aumento da concentração de ozônio em superfície, por este motivo, autoridades de Nova Gales do Sul tem pedido para que a população permaneça em suas residências ou estabelecimentos fechados durante as horas mais quentes do dia.

De acordo com os meteorologistas da Bureau of Meteorology, essa onda de calor tem sido causada pela presença de uma baixa pressão no centro do país, que transporta o ar quente da porção central para a porção sudeste da Austrália, uma das mais afetadas, e também pela presença de uma alta pressão no mar da Tasmânia, que tem impedido o avanço das frentes frias. Pelas previsões, essas condições devem permanecer até o final dessa semana. Portanto, até lá, mais recordes de temperaturas podem ser registrados no país.

Publicidade