tempo.com

Chuvas levam risco de alagamentos e deslizamentos para o Sudeste e Nordeste

Previsão para alto volume de chuva deixa regiões Sudeste e Nordeste sob risco de alagamentos, inundações e deslizamento de terra. Combinação entre frente fria, ZCAS e VCAN deve marcar a semana.

chuva
Previsão de chuva para a última semana de novembro e alertas sobre o Sudeste e Nordeste.

Instabilidades em diferentes níveis da atmosfera vão marcar a semana em regiões como Sudeste e Nordeste devido ao alto volume de chuva previsto e potencial para transtornos como alagamentos, inundações e deslizamentos de terra. Volumes acima de 100 milímetros são esperados para os próximos dias.

Um sistema frontal segue avançando de forma costeira pelo centro-sul do país e pela segunda vez consecutiva neste mês de novembro, a ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) se encarrega de canalizar a umidade da Amazônia até o Sudeste e Nordeste, o que mantém núcleos intensos de chuva por horas e dias consecutivos na mesma área.

Além desses dois sistemas meteorológicos, em altos níveis da atmosfera quem comanda as instabilidades é o VCAN (Vórtice Ciclônico de Altos Níveis), que está localizado entre o Sul e o Sudeste, levando ventos úmidos e fortes em direção a Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, estados sob o maior alerta.

Alertas para o Sudeste

A semana já começa com preocupações e alertas espalhados por diversas áreas da região Sudeste devido a presença de uma frente fria, a ZCAS e o VCAN. Pancadas de chuva devem se espalhar nesta segunda-feira (28) e são esperados volumes expressivos entre o Vale do Paraíba no estado de São Paulo, o Rio de Janeiro, zona da mata, centro, leste e norte de Minas Gerais e no Espírito Santo, onde volumes entre 30 e 50 milímetros já podem ser registrados.

O risco de transtornos como alagamentos, inundações e deslizamentos de terra vai continuar e aumentar ao longo da semana. Na terça-feira (29), a situação começa a se complicar mais entre o norte do Rio de Janeiro e o estado capixaba onde são esperados volumes superiores a 50 milímetros em um curto período de tempo.

O risco para transtornos é grande em todo o estado capixaba que não é tão grande em extensão, porém, áreas costeiras podem sofrer mais os efeitos da chuva volumosa. A partir de meados da semana, a atenção estará voltada para o risco de transtornos entre o Espírito Santo e o leste de Minas Gerais sob efeito da ZCAS canalizando a umidade em encontro à frente fria que seguirá atuando afastada no Oceano Atlântico.

A tendência até o fim de semana é de novas pancadas de chuva com volumes expressivos no litoral norte paulista, no Rio de Janeiro e na zona da mata mineira mais próxima à serra fluminense, sendo uma área considerada vulnerável devido ao seu relevo e com alto potencial para deslizamentos de terra. Inclusive, é uma área onde muitos desastres com perdas de vidas já foram registrados com o desabamento de casas em morros que cederam com o solo encharcado.

Novos alertas no Nordeste

A semana já começa tensa também no Nordeste do Brasil com previsão de chuvas expressivas e persistentes especialmente sobre a Bahia. As mesmas instabilidades que atuarão sobre parte do Sudeste, também vão influenciar o tempo na região: frente fria, ZCAS e VCAN.

Logo nesta segunda-feira (28), nuvens carregadas devem despejar um volume significativo de precipitação sobre o sul do Maranhão, o sul do Piauí e grande parte da Bahia, do oeste até o litoral sul. Aliás, o sul baiano é a área com maior potencial para transtornos nos próximos dias, não se descartando o risco de alagamentos, inundações e deslizamentos de terra.

Na terça-feira (29), a situação se complica também em outras áreas nordestinas, como é o caso de Alagoas, oeste de Pernambuco, sul do Ceará e centro do Piauí, inclusive em Teresina existe o potencial para grandes transtornos.

De modo geral, a tendência é de chuva mais persistente sobre a Bahia até o final da semana, já fechando o mês de novembro e dando lugar a dezembro, mês que já deve começar com notícias de transtornos e até possíveis desastres no território baiano, inclusive na região metropolitana de Salvador.