tempo.com

As cidades com mais “noites polares” do mundo

Nos meses de inverno, as zonas localizadas em latitudes maiores aos círculos polares passam por períodos em que o Sol não surge acima do horizonte, fenômeno conhecido como “noite polar”.

Murmansk
Fotografia de Murmansk, Rússia, a maior cidade localizada no Círculo Polar Ártico.

As cidades mais próximas ao Pólo Norte vivem por semanas, e até meses, entre a penumbra e a escuridão total, dependendo das latitudes em que estão localizadas.

Principais cidades com o maior número de “noites polares”

1 – Murmansk, Rússia:

Com 315.000 habitantes, esta é a maior cidade de todas as que estão localizadas em latitudes acima do Círculo Polar Ártico. Está localizada na foz do rio Kola, de frente para o mar de Barents, sendo a cidade portuária mais importante da Rússia no Ártico. Nela, os raios solares desaparecem por um período de, aproximadamente, 40 dias, entre 2 de dezembro e 11 de janeiro.

2 – Norilsk, Rússia:

Esta cidade russa está localizada na Sibéria e é a segunda maior de todas as localizadas acima do Círculo Polar Ártico, com quase 180.000 habitantes. Sua economia baseia-se, principalmente, na indústria de mineração, com reservas abundantes de níquel, cobre, entre outros. Além disso, esta cidade ostenta a reputação de ser uma das mais poluídas do mundo.

Norilsk
A cidade de Norilsk apresenta condições climáticas muito extremas durante grande parte do ano.

3 – Vorkuta, Rússia:

Localizada a cerca de 100 km ao norte do Círculo Polar Ártico (ao nordeste da República de Komi), esta cidade foi construída por Stalin em 1930, nas imediações de uma grande mina de carvão na época. Com aproximadamente 70.000 habitantes, esta é a terceira cidade mais populosa dentre as que se localizam em latitudes altas. Sua existência se deve exclusivamente à exploração da bacia carbonífera do Rio Pechora e, sua população sofre com condições climáticas muito extremas durante grande parte do ano.

4 – Sisimiut, Groenlândia:

Este povoado, com cerca de 5.000 habitantes, está localizado no sudoeste da grande ilha da Groenlândia, cerca de 75 km ao norte do Círculo Polar, na área do Estreito de Davis. Este é o segundo maior município da Groenlândia e, curiosamente, é habitado desde, mais ou menos, 4.500 anos atrás.

5 – Barrow, Estados Unidos:

Sua população é de cerca de 4.000 habitantes e ela está localizada na costa norte do Alasca, a 2.000 km do Pólo Norte. Sua economia está relacionada a operações de campos petrolíferos, ao turismo, à caça e à pesca. As noites se estendem de meados de novembro até o final de janeiro, com temperaturas excedendo 0°C apenas cerca de 30 dias por ano.

Barrow
Vista da cidade de Barrow durante os meses de verão.

Os habitantes destas áreas estão acostumados a condições extremas de vida

Em suma, a maioria das cidades localizadas em latitudes muito altas apresenta uma grande distância das áreas habitadas mais próximas, além de péssimas condições dos meios de comunicação e de um clima muito extremo para o desenvolvimento normal de seres vivos. No entanto, por razões diversas, estas cidades perduraram por centenas e até milhares de anos. Seus povos foram capazes de se adaptar perfeitamente às “noites polares”, bem como aos inconvenientes e contratempos que tornam esses lugares rigorosos para a sobrevivência humana.