tempo.com

Novos dados de Gaia: terremotos estelares, DNA estelar e muito mais!

A missão Gaia da Agência Espacial Europeia acaba de divulgar seus dados mais recentes, oferecendo informações novas e aprimoradas sobre quase 2 bilhões de estrelas em nossa galáxia. Os resultados permitem-nos descrever com maior precisão 'terremotos estelares' incomuns, a composição química ou 'DNA' estelar ou os movimentos dessas estrelas.

Gaia ESA
Ilustração da missão Gaia da ESA.S. Brunier (ESA/ATG).

Gaia é uma missão da Agência Espacial Europeia (ESA) que visa criar o mapa multidimensional mais preciso e completo da Via Láctea. Isso permite que os astrônomos reconstruam a estrutura e a evolução passada de nossa galáxia ao longo de bilhões de anos, além de entender melhor o ciclo de vida das estrelas e nosso lugar no universo.

Em 2020, uma versão inicial do terceiro lançamento de dados do Gaia, e esta semana foi lançada a versão completa (DR3) desta terceira parcela, que inclui informações inéditas e aprimoradas sobre 1.800 milhões de estrelas em nossa galáxia. O catálogo incorpora novas informações, incluindo composições químicas, temperaturas, cores, massas, idades e a velocidade com que as estrelas se aproximam ou se afastam de nós (velocidade radial).

Esse conjunto de dados se tornou o maior catálogo até hoje de estrelas binárias, milhares de objetos do sistema solar, como asteroides e luas de planetas, e milhões de galáxias e quasares fora da Via Láctea.

Terremotos estelares

Uma das descobertas mais surpreendentes é que o Gaia pode detectar terremotos estelares - pequenos movimentos registrados na superfície de uma estrela que fazem com que sua forma mude - algo que o observatório não foi originalmente projetado para fazer.

Gaia já havia encontrado oscilações radiais que faziam com que as estrelas aumentassem e diminuíssem periodicamente, mantendo sua forma esférica. Mas agora também detectou outras vibrações que podem ser consideradas tsunamis de grande escala. Essas oscilações não radiais alteram a forma geral da estrela e, portanto, são mais difíceis de detectar.

Starquakes nos dão muitas informações sobre estrelas, especialmente sobre seu funcionamento interno. Gaia abre uma mina de ouro para a asterosismologia de estrelas massivas”, explica um dos membros da colaboração Gaia, Conny Aerts, da Ku Leuven University na Bélgica.

O DNA das estrelas

A composição das estrelas pode nos contar sobre seu local de nascimento e trajetória subsequente e, portanto, sobre a história da Via Láctea. Com o lançamento de dados atual, Gaia apresenta o maior mapa químico de nossa galáxia, juntamente com movimentos 3D, que vão desde nossa vizinhança solar até as galáxias menores que cercam a nossa.

Algumas estrelas contêm mais metais pesados do que outras. Durante o Big Bang, apenas elementos leves (hidrogênio e hélio) foram formados. Os mais pesados, os metais, são criados dentro das estrelas e, quando morrem, são liberados no gás e na poeira encontrados no meio interestelar, a partir dos quais novas estrelas são formadas. A formação ativa de estrelas e sua morte permitem a existência de um ambiente mais rico em metais. Portanto, a composição química de uma estrela é equivalente ao DNA e nos oferece informações cruciais sobre sua origem.

Estrelas binárias, asteróides e quasares

Outros artigos, também sendo publicado agora, refletem a amplitude e profundidade das descobertas de Gaia. Um novo catálogo de estrelas binárias apresenta a massa e a evolução de mais de 800.000 sistemas binários, enquanto outros trabalhos em asteroides compreendendo 156.000 corpos rochosos investigam a origem do nosso sistema solar.

Gaia ESA
Técnicas de observação de Gaia. Imagem: ESA.

Gaia também revela informações sobre 10 milhões de estrelas variáveis e macromoléculas misteriosas entre estrelas, bem como sobre quasares e galáxias localizadas além de nossa própria vizinhança cósmica.

Mal podemos esperar para ver como a comunidade astronômica mergulha em nossos novos dados para aprender mais sobre nossa galáxia e seu ambiente do que jamais poderíamos imaginar”, diz Timo Prusti, cientista do projeto Gaia da ESA.