O rastro de destruição de Callum e Leslie na Europa

O ciclones Callum e Leslie atingiram o oeste da Europa em dois pontos distintos nesse fim de semana, causando severas inundações, chuvas e ventos intensos que resultaram em grande destruição e perdas de vidas.

Carolina Barnez Carolina Barnez 15 Out. 2018 - 15:50 UTC
A chuva intensa promovida pelo ciclone Leslie causou inundações severas no Sul da França. Créditos: El País/ERIC CABANIS(AFP)

O ciclone extratropical Callum atingiu a Irlanda e Reino Unido enquanto o ciclone tropical Leslie, já em condições pós-tropicais, atingiu Portugal, Espanha e Sul da França. Ambos causaram um rastro de destruição em seu caminho.

Ciclone Extratropical Callum

Callum é a terceira tempestade extratropical nomeada da estação a atingir o Reino Unido. Desde 2015 o principal órgão meteorológico da região, MetOffice, decidiu adotar o sistema de nomeação de tempestades severas, assim como é feito com os furacões e tufões ao redor do mundo, para que avisos e alertas sejam dados de forma mais clara e eficaz. Isso porque os ciclones extratropicais atuantes na região são os maiores causadores de catástrofes associadas a chuvas e ventos intensos, e principalmente a elevação do nível do mar em todo setor norte da Europa.

Callum atingiu a Irlanda e Irlanda do Norte na quinta-feira (11) e seguiu se deslocando para nordeste, chegando ao País de Gales na sexta-feira (12) com ventos de até 130 km/h. O País de Gales ainda está sob alerta, devido a uma inundação que deixou grande parte do país em baixo d'água. Callum causou a destruição de diversas barreiras fluviais, o que agravou a situação, promovendo a pior inundação no país em 30 anos.

Ciclone Tropical Leslie

Leslie se originou no dia 23 de Setembro e ficou oscilando sua intensidade ao longo de uma trajetória errática pelo Atlântico Norte. No dia 9 de Outubro, Leslie entrou em um ambiente própício para evoluir para furacão e continuou seu deslocamento em direção à Península Ibérica.

No domingo (14), Leslie atingiu Portugal já enfraquecido como tempestade pós-tropical, mas com ventos muito próximos aos de um furacão categoria 1. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera mostra que as rajadas de vento de Leslie chegaram a 176 km/h e são típicas de um "sting jet", fenômeno caracterizado por correntes descendentes muito intensas dentro do ciclone. Em todo o país estradas, portos e as principais pontes que atravessam o Rio Tejo foram fechados. Algumas pessoas ficaram levemente feridas, desalojadas e cerca de 325 mil habitantes estavam sem eletricidade até ontem.

Hoje, Leslie seguiu mais enfraquecido, já como ciclone extratropical, mas ainda causando fortes ventos e chuvas pelo norte da Espanha e Sul da França. Na Espanha, a região de Barcelona, Girona e Lérida estão sobre alerta intermediário. Muitas pessoas estão sem energia e vários incidentes foram registrados. As inundações no Sul da França pelos efeitos do ciclone causaram pelo menos 9 mortes na localidade de Trèbes, onde choveu em apenas 5 horas o equivalente a 3 meses de chuva, fazendo a água subir 8 metros.

Publicidade