As mudanças climáticas estão intensificando os furacões?

Projeções de mudanças climáticas sugerem que o número de furacões intensos aumentará. O aquecimento do oceano permitirá que essas tempestades viajem mais longe, e nós poderemos ver maiores impactos de furacões nas costas no futuro.

Davi Moura Davi Moura 27 Abr. 2019 - 13:30 UTC
Furacão Irma e José, respectivamente, deslocando-se sobre o oceano Atlântico em 2017.

Os furacões, também conhecidos como ciclones tropicais ou tufões, são intensas tempestades que nascem sobre as águas quentes dos oceanos equatoriais com fortes ventos que podem levar milhares de vidas e causar bilhões de dólares em danos.

Os furacões são classificados pela escala Saffir-Simpson que é dividida em cinco níveis baseados na velocidade do vento. Quanto maior sua categoria, mais perigoso e mortal é o furacão. O furacão Maria, por exemplo, foi classificado como categoria 5 e deixou 2.975 mortos em Porto Rico em 2017, embora o número não oficial possa chegar a 4.600. Apesar de mais graves, os furacões de categoria 5 também são os mais raros – houve apenas três na última década.

Entretanto a intensidade dos furacões pode estar piorando. Duas medidas comuns usadas para julgar se a ocorrência de furacões está piorando são: o número de tempestades por ano e a força de cada tempestade. Para avaliar com mais precisão o quão intensa é uma tempestade, os meteorologistas usam o índice ACE (Accumulated Cyclone Energy Index) para explicar a força, frequência e duração das tempestades por ano. Nos últimos 24 anos, houve 16 períodos de furacões acima do normal, os piores registrados, no oceano Atlântico.

De acordo com a NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), Os registros observados da atividade de furacões no Atlântico mostram alguma correlação, em escalas de tempo de vários anos, entre as temperaturas locais da superfície do Atlântico tropical (SSTs) e o Power Dissipation Index (PDI). O PDI é uma medida da atividade de furacões do Atlântico que combina a frequência, intensidade e duração de furacões em um único índice. Tanto as SSTs do Atlântico quanto o PDI aumentaram acentuadamente desde a década de 1970, e há algumas evidências de que os níveis do PDI nos últimos anos são mais altos do que na anterior e ativa era dos furacões no Atlântico nos anos 50 e 60.

As águas mais quentes tornaram mais rápida a velocidade com que os furacões se intensificaram nos últimos anos. Os meteorologistas usam o termo "intensificação rápida" - ou RI - para descrever uma tempestade que aumenta seus ventos máximos sustentados em pelo menos 35 mph em um período de 24 horas.

Em 2017, houve 40 casos distintos de RI (a maioria em pelo menos 35 anos). O que é particularmente preocupante é quando uma tempestade se transforma de um furacão de categoria 1 em um monstro de categoria 5 em menos de 24 horas. No caso do furacão Maria, isso deixou as pessoas na ilha de Dominica com tempo insuficiente para se preparar.

Publicidade