tempo.com

Telescópio Espacial Hubble da NASA captura auroras em Saturno!

As luzes fluorescentes que são vistas nos pólos da Terra também foram descobertas no planeta dos anéis. Mas, qual é a origem dessa "dança das cores" no céu de Saturno? Saiba mais aqui.

Saturno, Aurora Boreal, NASA
As auroras boreais de Saturno estão associadas à interação com o vento solar e à velocidade de rotação do planeta, que dura cerca de onze horas.

Um espetáculo impressionante! Usando o Telescópio Espacial Hubble da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (a NASA), em conjunto com a Agência Espacial Europeia (a ESA), uma série de imagens foram tiradas mostrando auroras boreais "flutuando" no polo norte de Saturno. Vamos aprender mais sobre essa história científica.

Em 2017, durante um período de sete meses, o Espectrógrafo de Imagens do Hubble foi usado para obter essa informação visual. As observações foram feitas antes e depois do solstício de verão no norte de Saturno, porque as condições proporcionaram a melhor visualização possível.

Na Terra, podemos encontrar a Aurora Boreal, cujo nome nos remete ao Polo Norte, e a Aurora Austral, que são observadas em torno do Polo Sul.

Mas a que esse fenômeno natural está associado? Considerando os recursos educacionais da NASA, na Terra, as auroras boreais são criadas por partículas emitidas pelo Sol em forma de vento, também chamado de "vento solar". Quando esse fluxo de partículas eletricamente carregadas se aproxima do nosso planeta, ele interage com o campo magnético. Este último atua como um escudo gigante que protege o ambiente terrestre das partículas do vento solar.

No entanto, também pode prender uma pequena fração delas dentro da magnetosfera. Essas partículas podem se energizar e seguir as linhas do campo magnético até os polos do planeta. Lá, elas são capazes de interagir com átomos de oxigênio e nitrogênio nas camadas superiores da atmosfera. Dessa forma, são criadas as luzes cintilantes e coloridas visíveis nas regiões polares da Terra.

Outros planetas com auroras

Como pode notar, as auroras boreais não são um espetáculo exclusivo da Terra. Além das imagens deslumbrantes de Saturno, também foram descobertas em outros planetas do Sistema Solar, como Júpiter, Urano e Netuno.

Vale a pena mencionar que as auroras boreais de Saturno podem ser facilmente vistas em comprimentos de onda ultravioleta. Esta parte do espectro eletromagnético só pode ser estudada do espaço. As imagens mostram uma variedade "rica" de emissões com características locais.

No planeta dos anéis, a variabilidade das auroras é influenciada tanto pelo vento solar quanto pela rápida rotação de Saturno, que dura, aproximadamente, onze horas. Além disso, a aurora do norte mostra dois máximos de brilho diferentes: ao amanhecer e antes da meia-noite. Este último, sem informação prévia, parece específico para a interação do vento solar com a magnetosfera no solstício de verão de Saturno.