tempo.com

Como os asteroides e cometas perigosos para a Terra são monitorados?

A NASA tem uma divisão que é encarregada de prever as órbitas desses corpos em sua aproximação ao nosso planeta, bem como avaliar os possíveis riscos de impacto. Com o objetivo de celebrar o Dia Internacional do Asteroide em 30 de junho, traremos aqui algumas informações sobre estes corpos.

asteroides
Um asteroide potencialmente perigoso tem uma órbita que se aproxima mais de 0,05 UA (cerca de 7,5 milhões de km) da Terra. Se a atingisse, teria consequências devastadoras.

O Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra (CNEOS), anexo ao Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA, tem a missão de caracterizar as órbitas de asteroides e cometas que se aproximam da Terra e avaliar, junto com outras agências governamentais dos Estados Unidos, o risco de impacto e suas consequências.

O CNEOS hospeda o Sentry, um sistema de monitoramento que analisa continuamente as probabilidades de asteroides potencialmente perigosos (PHAs, na sigla em inglês) impactarem a Terra, durante um período que abrange os próximos 100 anos. Todos os dias, o Sentry recebe centenas de dados de observações de órbita de asteroides próximos da Terra (NEA, em inglês) do Minor Planet Center (MPC), que consolida informações de uma rede de estações ao redor do mundo que contribuem para o Smithsonian Astrophysical Observatory (SAO).

Cada vez que se realiza uma atualização da posição de um NEA, seja por observações ópticas ou de radar, o Sentry recalcula sua órbita nominal e outras ligeiramente diferentes dentro de uma faixa de incerteza permissível, que são adaptadas a todas elas. A partir desses resultados, através de um processo de propagação numérica para uma visão de 100 anos, as aproximações de um NEA à Terra podem ser determinadas com certo grau de precisão.

Os resultados fornecidos por este programa informatizado são publicados na página do Impact Risk Data, disponível para todos na Internet.

Compreendendo o Impact Risk Data

Para uma correta interpretação da lista de potenciais impactos de asteroides, você deve levar em consideração que a tabela reflete um resumo dos possíveis eventos por objeto.

A cor das linhas é atribuída segundo a Escala de Torino e alerta sobre a gravidade das ameaças: do branco que identifica objetos que não representam risco de impacto até ao vermelho que alerta para uma colisão segura. Dentro do intervalo das 5 cores usadas nesta escala, é atribuído um número entre 0 e 10 que caracteriza, além da probabilidade de impacto de um asteroide, o alcance de suas consequências.

Os objetos muito pequenos (diâmetros de 50 metros ou menos) que não são de interesse, são sombreados em azul claro.

A faixa de anos em que um certo número de impactos de um objeto pode ocorrer, cuja identificação é refletida na primeira coluna, seguida de dados como sua velocidade em relação à Terra, a intensidade de seu brilho intrínseco e seu diâmetro, são parte dos dados que podemos obter. A lista é completada pelos valores que designam o perigo de cada objeto de acordo com o que é conhecido como Escala de Palermo.

Os objetos mais próximos que passarão neste ano

Também no CNEOS podemos consultar um banco de dados com a informação dos NEO (Objetos Próximos à Terra) que foram registrados desde 1900 até a projeção para o ano 2200.

Assim podemos saber que no primeiro dia de julho, às 13:57 ± 00:05 UTC, o objeto identificado como 2022 MS, com diâmetro entre 22 e 49 m, se aproximará da Terra a uma distância nominal de 0,02117 Unidades Astronômicas (UA), com uma velocidade em relação à Terra de 5,99 km/s.

E fechando 2022, em 28 de dezembro às 23:40 ± 00:05 UTC, a 0,04233 UA do nosso planeta, passará o 2021 AE com velocidade de 14,95 km/s.

Acessar as valiosas informações que o CNEOS coloca à disposição dos cientistas e curiosos, nos faz refletir sobre o quanto se avançou na compreensão do que está acontecendo ao redor da Terra.