tempo.com

A água da chuva já não é potável em nenhuma parte do mundo

Beber água da chuva, mesmo numa área natural, já não é uma boa ideia. Os níveis de produtos químicos perigosos excedem os valores saudáveis da precipitação nas regiões mais remotas do mundo.

contaminantes, água potável
Os PFAS estão associados a uma vasta gama de danos graves para a saúde, incluindo vários tipos de cancro.

A poluição humana é tal que os produtos químicos estão literalmente chovendo em todos os cantos da Terra e a água recolhida da chuva não pode ser considerada saudável.

As substâncias perfluoroalquiladas (PFAS) são contaminantes químicos desenvolvidos na década de 1940. Devido às suas propriedades únicas, incluindo a sua capacidade de repelir água e óleo e a sua resistência à temperatura, os fabricantes utilizaram PFAS numa variedade de produtos, desde utensílios de cozinha não aderentes a cosméticos.

Existem cerca de 4500 destes compostos à base de flúor e encontram-se em quase todas as casas da Terra em centenas de produtos do dia-a-dia, incluindo embalagens de alimentos, utensílios de cozinha antiaderentes, vestuário impermeável, adesivos, papel e tintas.

Uma análise global dos níveis PFAS ao longo dos últimos dez anos revelou que os níveis PFAS na água da chuva "muitas vezes excedem em muito" os níveis recomendados pelas agências ambientais. O estudo observa também que estes contaminantes se movem através do solo e da água e podem acumular na vida selvagem. Os humanos também podem respirar PFAS e estes também podem entrar na corrente sanguínea. Além disso, estes PFAS são tão persistentes que são conhecidos como "produtos químicos eternos".

A equipe da Universidade de Estocolmo conduziu trabalhos de laboratório e de campo sobre a presença atmosférica e o transporte de PFAS durante a última década. Verificaram que os níveis de alguns PFAS nocivos na atmosfera não estão diminuindo, apesar do fato de o principal fabricante, a 3M, os ter eliminado gradualmente há duas décadas. Os cientistas receiam que a capacidade destas substâncias de serem continuamente recicladas e de viajarem do solo para o ar faça com que as concentrações aumentem acentuadamente em todo o mundo até um ponto de não retorno.

Os resultados do estudo levam os autores a concluir que foi ultrapassado um limite planetário, que simplesmente não existe um lugar seguro na Terra para evitar estas substâncias.

"Assim, devido à propagação global dos PFAS, os valores ambientais em toda a parte excederão as diretrizes de qualidade concebidas para proteger a saúde humana, e podemos fazer muito pouco para reduzir a contaminação pelos PFAS", disse o Dr. Scheringer, um dos autores da investigação. Disse também que seria aconselhável unificar um valor limiar que determina um limite planetário em vez de cada país ter o seu próprio.

Problemas de saúde

Ainda não existe consenso científico sobre os problemas de saúde que podem ser desencadeados por estas substâncias. Mas os PFAS estão associados a uma vasta gama de danos graves para a saúde, incluindo vários tipos de cancro, problemas de aprendizagem e de comportamento em crianças, infertilidade e complicações na gravidez, aumento do colesterol e sistemas imunitários deficientes.

Embora a causa e o efeito destas substâncias permaneçam por provar, alguns cientistas advertem que as provas até à data sublinham a necessidade de uma abordagem de precaução, uma vez que, quando se provar que são perigosas, poderá ser demasiado tarde. "Só podemos limpar água potável em estações de tratamento utilizando tecnologias avançadas que são muito caras", explicam no estudo. "Não podemos remover os PFAS do ambiente. Só temos de esperar, e levará muito tempo, na ordem de décadas ou séculos, para que os PFAS se diluam gradualmente nos oceanos profundos".