tempo.com

Mudança climática poderia causar uma extinção marinha em massa

O aumento da temperatura, a acidificação da água, a poluição e outros efeitos das mudanças climáticas ameaçam causar um processo de extinção da vida marinha até 2300, comparável ao ocorrido há 250 milhões de anos.

Tartaruga marinha
Baleias-comuns, peixes-boi, tubarões-raia, golfinhos de Maui, peixes-violão, lontras marinhas, tartarugas-de-pente e baleias azuis são algumas das espécies que habitam os mares e estão à beira da extinção.

A última vez que a Terra enfrentou uma extinção em massa foi no período Cretáceo, quando um meteorito no que hoje é a Península de Yucatán causou a extinção dos dinossauros. Sessenta e cinco milhões de anos depois, o ser humano poderia testemunhar e causar uma nova extinção em massa, mas desta vez nos oceanos.

Isso pode acontecer se não tomarmos medidas para deter as mudanças climáticas de forma drástica e rápida. O aumento da concentração de gases de efeito estufa antropogênicos que aquece os oceanos e esgota seu oxigênio, somado à destruição de habitats, pesca predatória e poluição costeira, acabará com a vida marinha até 2300. Isso é indicado por um estudo realizado por cientistas das universidades de Washington e Princeton, nos Estados Unidos, cujos resultados foram publicados no final de abril na revista Science.

Estamos a caminho de uma extinção do Permiano

Embora o impacto do clima na vida oceânica seja difícil de observar, o estudo considerou o registro fóssil de episódios anteriores de extinção em massa, causados por mudanças ambientais globais.

A partir disso, a pesquisa utilizou um modelo que calcula os limites fisiológicos de uma espécie de acordo com previsões de temperatura marinha e oxigênio, onde Justin Penn e Curtis Deutsch, autores do estudo, avaliaram o risco de extinção de espécies oceânicas em diferentes cenários de aquecimento climático.

Compararam seu modelo com a magnitude das extinções passadas, concluindo que, se o aumento da temperatura global permanecer inalterado, os ecossistemas marinhos ao redor do planeta provavelmente sofrerão extinções semelhantes ao Permiano, chamada A Grande Morte, que ocorreu há cerca de 250 milhões de anos.

Especialistas indicam que reverter as emissões de gases de efeito estufa pode reduzir o risco de extinção em mais de 70%

Se nos colocarmos nos piores cenários de emissões, as perdas seriam equivalentes às cinco piores extinções em massa da história da Terra, algo que não devemos permitir.

A temperatura do mar e a quantidade de oxigênio andam de mãos dadas

A temperatura da água e a disponibilidade de oxigênio são dois fatores-chave que mudarão à medida que o clima se aquece devido à atividade humana. A água mais quente é em si um fator de risco para espécies adaptadas a climas mais frios. A água quente também contém menos oxigênio do que a água mais fria, levando a uma circulação oceânica mais lenta que reduz o suprimento de oxigênio em profundidade.

Paradoxalmente, as taxas metabólicas da espécie aumentam com a temperatura da água, de modo que a demanda de oxigênio aumenta à medida que a oferta diminui. “Uma vez que o suprimento de oxigênio fique aquém do que a espécie precisa, esperamos ver perdas substanciais”, diz Justin Penn.

O oceano equatorial, no entanto, já é muito quente e com pouco oxigênio, de modo que aumentos adicionais de temperatura e a consequente diminuição de oxigênio podem torná-lo inabitável para muitas espécies.

Os oceanos tropicais são os mais propensos a perder mais espécies para as mudanças climáticas, embora muitas delas migrem para latitudes mais altas em busca de condições mais favoráveis para sobreviver. As espécies polares, no entanto, podem se extinguir, pois seus habitats desaparecerão completamente do planeta.