tempo.com

Missão DART se choca com asteroide! Confira as imagens do impacto

A missão DART, da NASA, colidiu com o asteroide Dimorphos como um primeiro teste do sistema de defesa planetária contra asteroides! Cientistas estão agora analisando dados e imagens do impacto para definir a eficácia da missão.

Missão DART se choca com asteroide
Da esquerda para a direita: Duas das últimas imagens captadas pelo DART antes do impacto; e imagem do asteroide captada pelo Telescópio Espacial James Webb. (imagens: NASA)

A missão DART da NASA atingiu com sucesso o asteroide Dimorphos nesta segunda-feira (26). A espaçonave foi completamente destruída pelo impacto e o asteroide teve sua órbita levemente alterada - Ou, pelo menos, assim esperam os cientistas.

Dimorphos é um asteroide que orbita outro asteroide maior, chamado Didymos, a uma grande distância da Terra.

O objetivo da missão DART era coletar dados e evidências de que é possível desviar a trajetória de um asteroide. Trata-se do primeiro teste de um mecanismo de defesa planetária, que está sendo desenvolvido para proteger a Terra de rochas espaciais em rota de impacto.

Agora que o DART cumpriu seu papel, no entanto, a ciência está apenas começando. Os astrônomos tem muitos dados para analisar e esperam entender o quanto o impacto desviou o Dimorphos, com relação a Didymos, além de aprender mais sobre a sua estrutura e composição interior.

Duas semanas antes do impacto, o DART soltou um cubesat (mini-satélite) projetado por italianos, chamado Light Italian Cubesat for Imaging of Asteroids (LICIACube). Navegando três minutos atrás do DART, ele passou por Dimorphos e captou as consequências imediatas do impacto.

Os dados coletados pelo LICIACube nos dirão muito sobre o material ejetado do asteroide pelo impacto. Ainda assim, levará dias, ou até mesmo semanas, para a poeira assentar literalmente e para Dimorphos se estabilizar em sua nova órbita em torno de Didymos. Até lá, o LICIACube já terá ido embora, perdido para o espaço profundo.

Portanto, cabe agora aos telescópios terrestres e aos telescópios espaciais Hubble e James Webb acompanhar o que vai acontecer com a órbita de Dimorphos. Mas esse é, por si só, um grande desafio: As rochas estão tão distantes e tão próximas umas das outras que é impossível observá-las separadamente.

Como cientistas medirão os resultados do impacto do DART?

O truque é que, juntas, as duas rochas espaciais formam o que os astrônomos chamam de binário eclipsante. Quando um objeto passa na frente do outro, o eclipse faz sua luz combinada diminuir, e o período entre mudanças no brilho nos diz o tempo que leva para Dimorphos orbitar ao redor de Didymos.

Assim, os cientistas já conseguirão medir, ao longo das próximas semanas, se o impacto do DART conseguiu mudar o tempo de órbita do Dimorphos ou não. Mas muitas perguntas ainda permanecerão em aberto.

Por exemplo, será que o impacto desestabilizou a rotação do asteroide? Será que os destroços do impacto chegaram ao asteroide maior, Didymos, alterando sua forma ou sua rotação? Essas são questões que precisam ser levadas em consideração para que a abordagem possa ser aplicada a outros asteroides no futuro.

Estamos apenas no começo - Patrick Michel, cientista planetário do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica.

Por isso, em breve, o cetro será passado para a missão Hera, da Agência Espacial Européia. Hera será lançada em 2024 e alcançará Dimorphos em 2026, podendo finalmente observar diretamente as consequências do sacrifício do DART.

Hera será capaz de medir o diâmetro e a profundidade da cratera, além de determinar a composição e a massa exata de ambos os objetos. Por enquanto, o fato é que qualquer coisa pode ter acontecido, e só descobriremos de fato o resultado da missão em 2026.