Landfall do superciclone Amphan provoca caos na Índia e em Bangladesh

Amphan tem sido uma das piores tempestades que já ocorreram na Baía de Bengala nos últimos anos. Depois de chegar à terra firme na quarta-feira, provocou devastação em partes da Índia e em Bangladesh, regiões já afetadas pelo coronavírus.

Pelo menos 22 pessoas morreram depois que Ampha fez landfall na última quarta-feira, trazendo o caos à Índia e Bangladesh. O superciclone destruiu milhares de casas, arrancou árvores e devastou as redes de energia elétrica. Imagens compartilhadas no twitter mostram uma queda de energia durante a passagem da tempestade na Bengala Ocidental.

As autoridades locais lutaram para amenizar a situação ao mesmo tempo que estavam focados no cenário de pandemia do coronavírus. Para piorar a situação, as ondas provocadas pela tempestade causaram inundações nas principais vias e houve corte de suprimentos de água e de eletricidade para algumas comunidades pequenas.

Bengala Ocidental, que é um estado localizado no leste da Índia, foi fortemente atingido pela tempestade, onde as rajadas de vento atingiram 175 quilômetros por hora. O Primeiro Ministro da Bengala Ocidental, Mamta Banarjee, disse: "O impacto do Amphan é pior do que a pandemia do coronavírus".

"Milhares de casas de barro foram derrubadas, árvores arrancadas, estradas e lavouras destruídas."

Algumas regiões com extrema necessidade de ajuda não estava em condições de fácil acesso, devido à continuidade da forte chuva. As ruas inundadas em Calcutá, capital do estado da Bengala Ocidental, onde o aeroporto da cidade foi fechado devido às inundações e queda de energia, que afetaram milhões de pessoas.

Shamsuddin Ahmed, diretor do Departamento Meteorológico de Bangladesh, comentou: "O ciclone atingiu a costa de Dingha, na Índia, ontem à tarde e depois se deslocou para Bangladesh pela parte sudoeste".

Agora, o superciclone Amphan enfraquece ao se mover para o norte, em direção ao país Butão.