tempo.com

Uma guerra nuclear poderia desencadear um grande El Niño?

Os impactos climáticos provocados por uma guerra nuclear causariam um resfriamento global que acarretaria na quebra de safras. Neste cenário, a humanidade poderia se tornar cada vez mais dependente de fontes de alimento baseadas no oceano.

Grande El nino
Uma guerra nuclear pode desencadear um episódio de aquecimento sem precedentes semelhante ao El Niño no Oceano Pacífico equatorial, reduzindo as populações de algas em 40 por cento e provavelmente diminuindo a captura de peixes.

A ameaça ao clima representada pela guerra nuclear foi inicialmente explorada durante a corrida armamentista nuclear da década de 1980 entre os Estados Unidos e a União Soviética. As tensões globais contemporâneas e os arsenais nucleares existentes motivam um reexame dessa ameaça.

A detonação de armas nucleares faria com que cidades queimassem em grandes incêndios, produzindo fuligem (carbono negro) que seria elevado à estratosfera, onde permaneceria por anos. Como grandes erupções vulcânicas, eventos de impacto de asteróides e alguns esquemas de geoengenharia, a injeção de aerossóis de fuligem na estratosfera após o conflito nuclear causaria resfriamento da superfície e aquecimento estratosférico.

guerra nuclear
Os cientistas descobriram que o uso de algumas centenas de armas (menos de 10% do arsenal global atual) poderia reduzir a precipitação global em 15%-30%. Levaria mais de uma década para retornar aos níveis de precipitação antes da guerra nuclear.

Mesmo uma guerra nuclear regional menor poderia ameaçar a sociedade humana ao impor perturbações extremas ao clima e comprometer a segurança alimentar regional e global ao prejudicar a agricultura. Uma pesquisa, publicada na revista Communications Earth & Environment, mostra que recorrer aos oceanos em busca de alimentos se a agricultura terrestre falhar após uma guerra nuclear provavelmente não será uma estratégia de sucesso - pelo menos no Pacífico equatorial.

As simulações mostram uma redução de 40% na biomassa do fitoplâncton (algas) no Pacífico equatorial, o que provavelmente teria efeitos a jusante em organismos marinhos maiores que as pessoas comem.

O autor principal Joshua Coupe, um associado de pesquisa pós-doutorado no Departamento de Ciências Ambientais da Escola de Ciências Ambientais e Biológicas da Rutgers University – New Brunswick, diz que pesquisas anteriores mostraram que o resfriamento global após uma guerra nuclear pode levar ao fracasso das safras terrestres, e nosso estudo mostra que provavelmente não podemos contar com frutos do mar para ajudar a alimentar as pessoas, pelo menos naquela área do mundo.

Os cientistas estudaram as mudanças climáticas em seis cenários de guerra nuclear, com foco no Oceano Pacífico equatorial. Os cenários incluem um grande conflito entre os Estados Unidos e a Rússia e cinco guerras menores entre a Índia e o Paquistão. Essas guerras podem provocar enormes incêndios que injetam milhões de toneladas de fuligem (carbono negro) na alta atmosfera, bloqueando a luz solar e perturbando o clima da Terra.

Com um modelo do sistema terrestre para simular os seis cenários, os cientistas mostraram que uma guerra nuclear em grande escala poderia desencadear um evento sem precedentes semelhante ao El Niño com duração de até sete anos. O El Niño-Oscilação Sul é o maior fenômeno natural que afeta a circulação do Oceano Pacífico, alternando entre eventos quentes do El Niño e frio do La Niña e influenciando profundamente a produtividade marinha e a pesca.

Durante um “Niño nuclear”, os cientistas descobriram que a precipitação sobre o continente marítimo (a área entre os oceanos Índico e Pacífico e os mares circundantes) e a África equatorial seria interrompida, em grande parte por causa de um clima mais frio.

Mais importante, um Niño nuclear interromperia a ressurgência de águas mais profundas e frias ao longo do equador no Oceano Pacífico, reduzindo o movimento ascendente de nutrientes de que o fitoplâncton - a base da teia alimentar marinha - precisa para sobreviver. Além disso, a diminuição da luz solar após uma guerra nuclear reduziria drasticamente a fotossíntese, estressando e potencialmente matando muitos fitoplâncton.

De acordo com o co-autor Alan Robock, virar-se para o mar em busca de alimentos após uma guerra nuclear que reduz drasticamente a produção agrícola em terra parece ser uma boa ideia, mas essa não seria uma fonte confiável da proteína de que precisamos, e devemos evitar o conflito nuclear se quisermos proteger nossos alimentos e o meio ambiente da Terra.