5 de Junho, Dia Mundial do Meio Ambiente: A Geração da Restauração

Reimaginar, recriar, restaurar: este é o apelo feito pela ONU no Dia Mundial do Meio Ambiente diante de graves problemas, que ganham velocidade e colocam em risco o equilíbrio dos ecossistemas do nosso planeta.

Recuperando a natureza; mãos
Restaurar ecossistemas danificados e encontrar maneiras de integrar mais a natureza às cidades e ambientes pode ajudar a curar o meio ambiente em que vivemos, preservando-o para as gerações futuras. Hoje precisamos nos tornar a Geração da Restauração.

Na Assembleia Geral das Nações Unidas, no final de 1972, o dia 5 de junho foi designado como Dia Mundial do Meio Ambiente, exortando os países participantes a “empreender atividades que reafirmem sua preocupação com a proteção e melhoria do meio ambiente”.

Neste 5 de junho, que também dá início à Década das Nações Unidas para a Restauração de Ecossistemas, o apelo da Organização das Nações Unidas (ONU) é reimaginar, recriar e restaurar os ecossistemas de todo o planeta - que estão sofrendo não só com as mudanças climáticas, mas com a intervenção excessiva e não planejada da humanidade - da serra ao mar, passando pelos campos e também pelas cidades.

Isso não é exagero, é uma emergência climática e precisamos agir agora

A situação no planeta está se tornando irreversível. A alta taxa de perda de florestas, pântanos e turfeiras, os incêndios inesgotáveis e extensos, nossa contribuição individual de gases de efeito estufa, estão gerando um enorme fardo em nosso planeta, o que está levando a um aumento excessivo da temperatura global - o que segundo a OMM poderia ultrapassar o limite de 1,5ºC nos próximos cinco anos -, comprometendo a saúde de todos os ecossistemas terrestres e marinhos e até mesmo colocando em risco a vida de milhões de pessoas ao redor do planeta - como vivemos nos últimos anos com a pandemia COVID-19 , e com aquelas que podem ocorrer em um futuro próximo, com o surgimento de vírus latentes e novos, esperando apenas por uma lacuna para poder se espalhar.

O crescimento populacional está levando ao uso de terras necessárias para a preservação da natureza. Segundo a ONU, mais de 50% das áreas úmidas do mundo foram perdidas, e a velocidade com que as florestas são destruídas equivale a eliminar uma área do tamanho de um campo de futebol a cada três segundos, terminando não só com vegetação, como também centenas de espécies de pássaros, mamíferos, peixes, insetos, fungos, microrganismos e outras espécies essenciais para o equilíbrio da natureza - que também nos inclui.

Nesse contexto, a Década das Nações Unidas para a Restauração de Ecossistemas visa prevenir, travar e reverter a degradação dos ecossistemas, sejam eles continentais ou oceânicos. Mas não porque se passaram 10 anos é que “ainda temos tempo”. Ações devem ser instituídas agora, se pretendemos continuar na luta contra as mudanças climáticas, contra a extinção em massa de espécies e se queremos alcançar o equilíbrio com o meio ambiente.