tempo.com

COP26: Tudo que você precisa saber até agora

A vigésima sexta Conferência do Clima das Nações Unidas está acontecendo em Glasgow, na Escócia, e contou com participação da jovem brasileira Txai Suruí e do ministro do Meio Ambiente Joaquim Leite.

COP26: Tudo que você precisa saber
Greta Thunberg e o logotipo da COP26: A conferência contou também com participação da jovem brasileira Txai Suruí e do ministro do Meio Ambiente Joaquim Leite. (imagem: anônimo/UNICEF)

De acordo com Henrietta Fore, diretora-executiva da UNICEF, a COP26 deve ser a COP das crianças. Trata-se da vigésima sexta Conferência do Clima das Nações Unidas, que está sendo realizada na cidade de Glasgow até dia 12 de Novembro.

A mensagem serve como um lembrete de que as mudanças climáticas já representam uma ameaça real para pelo menos 1 bilhão de crianças que vivem em áreas sensíveis ao redor do globo. Assim, a COP26 busca comprometimento dos líderes mundiais com estas crianças, tanto através da redução de emissões quanto do aumento dos serviços básicos dos quais elas dependem.

A Terra está falando. Ela nos diz que não temos mais tempo. (...) Não é 2030 ou 2050, é agora - Txai Suruí

Um dos grandes destaques do evento foi a participação da jovem brasileira Txai Suruí, de 24 anos. Estudante de Direito, Txai fundou o Movimento da Juventude Indígena em Rondônia e contou sobre o assassinato do índio Ari, seu amigo de infância.

Ari foi encontrado morto em Rondônia após sofrer ameaças de morte devido a denúncias feitas contra grileiros que invadiram a terra indígena Uru-eu-wau-wau. O ocorrido mostra que o Brasil ainda tem muito a evoluir com relação a proteção de sua mata nativa e demarcação de terras indígenas.

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, apresentou proposta de aumento na porcentagem de cortes que, na prática, mantém os objetivos de redução de emissões já apresentados em 2015. O ministro foi elogiado, e a porta-voz dos Estados Unidos, Kristina Rosales, levantou que é muito importante observar o objetivo proposto como um comprometimento sério e acompanhar como ele será colocado em prática.

O que a COP26 pede dos líderes mundiais?

As gerações atuais e futuras terão que navegar por um futuro incerto, no qual o atual modelo de crescimento que vincula o desenvolvimento econômico à exploração ambiental não é mais viável. Além disso, elas estão cada vez mais expostas à ondas de calor, ciclones, poluição do ar, inundações e falta de água, ameaças crescentes no mundo.

Uma das exigências é um forte investimento em serviços essenciais como água, saneamento, sistemas de higiene e serviços de saúde e educação para as crianças que nascerão nos próximos três anos, já que muitas delas já não tem acesso a serviços básicos.

A UNICEF pede aos países desenvolvidos que aumentem o compromisso assumido em 2009 de fornecer 100 bilhões de dólares anuais em financiamento climático para os países em desenvolvimento, já que esse montante tem se mostrado insuficiente para lidar com a magnitude dos impactos climáticos.

Além disso, o órgão exorta os países a reduzirem suas emissões em pelo menos 45% dos níveis emitidos em 2010 até 2030. A maior parte dos países ainda estão lamentavelmente longe de atingir esse objetivo. Se nada mudar, eventos extremos como ondas de calor, inundações e secas serão cada vez mais frequentes ao redor do globo.

Por fim, a UNICEF ressalta que crianças e jovens têm sido sub-representados nas tomadas de decisão e nos debates políticos, apesar de serem os principais afetados pelas decisões. Por isso, o órgão pede que todos os governos forneçam inclusão e educação climática para crianças e jovens, para que assim possam participar de forma significativa nas políticas e ações climáticas.